Pesquisa-ação na Superação de Dificuldades de Acompanhamento de Curso de Pós-graduação a “Lato Sensu” a Distância por Meio de Apoio da Tutoria

Resumo

Resumen En la enseñanza regular, hay casos de estudiantes presentar algún grado de analfabetismo funcional en relación a la lectura. Hay también estudiantes que, después de concluir la graduación, ya no leen libros ni frecuentan cursos durante años. Actualmente, hay una gran cantidad de cursos de postgrado, y estos contribuyen trayendo de vuelta al graduado para el aula, la lectura y la actualización de contenidos, o incluso la inserción en nuevas tecnologías; sin embargo, no siempre todos acompañan y, en casos extremos, puede ocurrir la evasión escolar. El objetivo del presente estudio es presentar una investigación-acción en un foro de educación a distancia en la cual hay cambio de actitud de un alumno con dificultades en la participación forense por medio de la acción de la tutoría. Se realiza una investigación social, cualitativa, del fenómeno de la dificultad de aprendizaje de un alumno de curso de postgrado EaD con dificultades en la lectura de textos y elaboración de actividades y que, por medio del apoyo de la tutora, que actuó de forma dialógica , hizo la indicación de vídeos, enseñó el empleo de mapas conceptuales, de modo que el alumno logró superar las dificultades, evitando la evasión.   Palabras clave: Foro; Tecnologías Digitales de Información y Comunicación; aprendizaje; afecto; Motivación

Biografia do Autor

Ricardo Shitsuka, Universidade Federal de Itajubá
Pesquisador Líder do Grupo de Pesquisas em Metodologias de Ensino e Aprendizagem de Ciências (MEAC). Tutor de EAD. Professor Adjunto na UNIFEI. Professor no PPGEC da UNIFEI.
Dorlivete Moreira Shitsuka, Professora na Rede Municipal de Educação de Itaibra-MG. Pesquisadora no Grupo de Pesquisas MEAC
Professora na Rede Municipal de Educação de Itaibra-MG. Pesquisadora no Grupo de Pesquisas MEAC. Mestre em Ensino.
Claudio Boghi, Universidade Anhembi-Morumbi.
Professor do Ensino Superior na UAM.

Referências

ABED. Censo EaD Brasil 2014: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil. Publicado pela Associação Brasileira de educação a distância – ABED em 2015. Disponível em: http://www.abed.org.br/censoead2014/CensoEaD2014_portugues.pdf. Acesso em: 19 abr. 2018.

BAKHTIN, M. M. O problema dos gêneros discursivos. In: Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes. 2003

BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. B. Tec. Senac, R. Janeiro, v. 39, n.2, p.48-67, maio/ago. 2013.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, v. 32, n.1, p. 25-40, 2011. Disponível em: http://www.proiac.uff.br/sites/default/files/documentos/berbel_2011.pdf.. Acesso em: 19 abr. 2018.

BOGHI, C. et al. Estudo de caso de emprego de metodologias ativas no ensino de conceitos tecnológicos. Revista Tecnologia Educacional da ABT. v. 212, n. 1, p. 19-32, 2016. Disponível em: http://www.abt-br.org.br/images/rte/212.pdf. Acesso em: 19 abr. 2017.

BORGES, T. S.; ALENCAR, G. Metodologias ativas na promoção da formação crítica do estudante: o uso da metodologias ativas como recurso didática na formação crítica do estudante do ensino superior. Cairu em Revista. Jul/Ago 2014, Ano 03, n° 04, p. 1 19-143 , ISSN 22377719. Disponível em: http://www.cairu.br/revista/arquivos/artigos/2014_2/08%20METODOLOGIAS%20ATIVAS%20NA%20PROMOCAO%20DA%20FORMACAO%20CRITICA%20DO%20ESTUDANTE.pdf. Acesso em: 19 abr. 2018.

BRASIL (1998). Leis e Decretos. Decreto nº 2.494/1998. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

BRASIL (2017). Censo Escolar 2016. Disponível em: http://stat.correioweb.com.br/euestudante/censo/2016/notas-estatisticas-censo-da-educacao-superior-2016.pdf. Acesso em: 19 abr. 2018.

CAMPOS, D. M. S. Psicologia da aprendizagem. 37. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

FERREIRA, R. B. A. S.; SILVA, I. M. M. “Didática” no contexto da educação a distância: quais os desafios? RBAAD - Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a distância da Associação Brasileira de educação a distância (ABED), São Paulo, v. 8, n. 1, p.1-14. 2009. Disponível em: http://www.abed.org.br/revistacientifica/Revista_PDF_Doc/2009/DIDATICA_NO_CONTEXTO_DA_EDCUACAO_A_DISTANCIA_QUAIS_OS_DESAFIOSraad2010.pdf. Acesso em: 19 abr. 2018.

FERRUGINI, L.; CASTRO, C. C. Repercussões socioeconômicas do curso piloto de administração da UAB na visão de egressos e coordenadores. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 4, p. 993-1008, out./dez. 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v41n4/1517-9702-ep-s1517-9702201506132787.pdf. Acesso em: 19 abr. 2018.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2013.

FREITAS, L. F. E-mails no trabalho em grupo e sua efetividade no processo decisório na Springer Carrier. Dissertação (Mestrado) apresentada ao Programa de Pós-Graduação da Escola de Administração da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010.

GOTTARDI, M. L. A autonomia na aprendizagem em educação a distância: competência a ser desenvolvida pelo aluno. RBAAD – Rev. Bras. de Aprendizagem Aberta e a distância da Assoc. Bras. Educ. a distância – ABED. v.14, n.1. p.110-124, 2015.

GOUVEA, E. P. et al. Metodologias ativas: Metodologia ativa: um estudo de caso sobre a ferramenta glossário em ambientes virtuais de educação a distância. REGS - educação, Gestão e Sociedade: revista da Faculdade Eça de Queirós, ISSN 2179-9636, v. 6, n. 22, junho de 2016. Disponível em: http://www.faceq.edu.br/regs/downloads/numero22/1-Metodologia-ativa-um-estudo-de-caso-Reparado.pdf. Acesso em: 19 abr. 2018.

LUDKE, M.; ANDRE, M. E. D. A. Pesquisa em educação. 2. ed. São Paulo: E.P.U., 2013.

Observatório do PNE. educação superior. Website do Observatório do Plano Nacional de educação (OPNE). Publicado em 2014. Disponível em: http://www.observatoriodopne.org.br/metas-pne/12-ensino-superior/indicadores. Acesso em: 19 abr. 2018.

OLIVEIRA, D. T.; CORTIMIGLIA, M. N.; LONGHI, M. T. Ambientes Virtuais de Aprendizagem no Ensino Superior Presencial: o processo de adoção da tecnologia na perspectiva do docente. RBAAD – Revista de Aprendizagem Aberta e a distância da Associação Brasileira de educação a distância (ABED). v. 14, n. 1, p. 37-54, 2015.

MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 14. ed. Petrópolis: Vozes, 2009.

SILVA, P. C. D.; SHITSUKA, R.; MORAIS, G. R. Estratégias de Ensino/Aprendizagem em Ambientes Virtuais: Estudo Comparativo do Ensino de Língua Estrangeira no Sistema EaD e Presencial. RBAAD – Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a distância. ABED. v. 12, n.1, p. 11-26. 2013.

SOUZA, L. B. educação superior a distância o perfil do “Novo” aluno sanfranciscano. RBAAD – Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a distância. ABED, v.11, n.1, p. 21-33, 2012. Disponível: http://seer.abed.net.br/edicoes/2012/artigo_02_v112012.pdf. Acesso em: 19 abr. 2018.

TENÓRIO, A.; FERRARI Junior, J.; TENÓRIO, T. A visão de tutores sobre o uso de fóruns em cursos a distância. RBAAD – Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a distância. ABED. v. 14, n. 1, 2015. Disponível em: http://www.abed.org.br/revistacientifica/_Brazilian/2015/04_A_VISAO_DOS_TUTORES.pdf. Acesso em: 19 abr. 2018.

THIOLLENT, M. Pesquisa-ação nas organizações. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2009.

UFC. Reitores de universidades federais se reúnem em Fortaleza para debater PNE. Publicado no Portal da Universidade Federal do Ceará (UFC) pela Coordenadoria de Comunicação Social e Marketing Institucional, em 31 Julho 2014. Disponível em: http://www.ufc.br/noticias/noticias-de-2014/5343-reitores-de-universidades-federais-se-reunem-em-fortaleza-para-debater-pne. Acesso em: 19 abr. 2018.

VEJA. Reitores de universidades federais debatem PNE. Publicado no website da revista Veja, veja.com em 31 jul 2014. Disponível em: http://veja.abril.com.br/educacao/reitores-de-universidades-federais-debatem-pne/. Acesso em: 19 abr. 2018.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. 4. ed. São Paulo: Martins, 2008.

WELLINGS, P. School learning and life learning: the interacction of spontaneous and scientific concepts in the development of higher mental processes. Published in Stanford University website in 2003. Disponível em: http://ldt.stanford.edu/~paulaw/STANFORD/370x_paula_wellings_final_paper.pdf. Acesso: 19frere abr. 2018.

WOLTON, D. Informar não é comunicar. Porto Alegre: Sulina, 2010.

YIN, R. K. O estudo de caso. Porto Alegre: Bookman, 2015.

Publicado
2018-12-28
Seção
Artigos Originais