Técnica de Rastreamento Ocular Revela Estratégias de Ações Múltiplas e não Lineares de Navegação Virtual de Alunos de EAD no AVA e na Internet

Palavras-chave: Navegação virtual, Rastreamento Ocular, Educação a Distância.

Resumo

Ao oferecer múltiplas trajetórias para acesso a variados conteúdos, os ambientes hipermidiáticos criam novas possibilidades para o estudo e a aprendizagem on-line. No entanto, pouco se sabe sobre trajetórias de navegação virtual e suas relações com a aprendizagem na educação a distância (EaD). Esta pesquisa documentou movimentos de navegação virtual, através da utilização da técnica de rastreamento ocular, de alunos de graduação na modalidade EaD, no momento em que estudavam no ambiente virtual de aprendizagem (AVA) e na internet. Contatou-se que, ao navegar no AVA, em geral, os alunos não seguiram a sequência linear do ambiente e, especificamente nas páginas das Aulas, desprezaram alguns elementos imagéticos e hipertextuais por considera-los dispensáveis à aprendizagem. Os dados analisados originaram duas categorias de navegação virtual: simples, em que os alunos se concentram na navegação no AVA; e complexas, na qual os alunos percorreram trilhas diversas e acessaram websites, blogs, arquivos na rede e ampliaram os conteúdos disponibilizados no AVA. Isso gerou, em alguns casos, perda de foco na tarefa e dificuldades na compreensão de conceitos. Ressalta-se a ação autônoma do aluno de EaD ao formular e executar estratégias de navegação adequadas a seus objetivos de estudo, às características do AVA e aos materiais de estudo, visando realizar atividades programadas e aprender.

Biografia do Autor

Eduardo Santos Junqueira, Universidade Federal do Ceará
Eduardo S. Junqueira, Ph.D.Professor Associado - Instituto UFC VirtualCoordenador do grupo LER http://www2.virtual.ufc.br/ler/Professor do Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira - FACED-UFCUniversidade Federal do Cearáhttp://www.virtual.ufc.br/portal/

Referências

AGNER, L.; MORAES, A (2017). Navegação e arquitetura de informação na web: a perspectiva do usuário. Boletim Técnico do Senac, 29(1). Disponível em <http://www.bts.senac.br/index.php/bts/article/view/529>. Acesso em: 01 ago. 2018.

BEYMER, D., ORTON, P. Z., & RUSSELL, D.M. (Eds.) (2007). An Eye Tracking Study of How Pictures Influence Online Reading. INTERACT 2007, LNCS 4663, Part II, pp. 456–460.

BRAGA, D. B. (2005). A comunicação interativa em ambiente hipermídia: as vantagens da hipermodalidade para o aprendizado em meio digital. In: Marcuschi, L. A. e Xavier, A. Hipertexto e gêneros digitais. Rio de Janeiro: Lucerna.

CAPES (2012) . Catálogo da Universidade Aberta do Brasil. Disponível em: <http://www.uab.capes.gov.br/images/stories/downloads/Catalogo/apresentao.pdf>. Acesso: 02 ago. 2017.

GALL, J. E., HANNAFIN, M. J. (1994) A framework for the study of hypertext. Instructional Science. 22, 207-232.

JACOB, R. J. K., & KARN, K. S. (2003). Eye Tracking in Human-Computer Interaction and UsabilityResearch: Ready to Deliver the Promises. In J. Hyona, R. Radach, and H. Deubel (ed.) The Mind's Eye: Cognitive and Applied Aspects of Eye Movement Research. Amsterdam: Elsevier Science.

JONASSEN, D. H., GRABINGER, R. S. (1993). Applications of Hypertext: Technologies for Higher Education. Jounal of Computing in Higher Education, 4(2), 12-42.

LEMKE, J. (2002). Travels in hypermodality. Visual Communication. 1(3): 299–325.

LEÃO, L. (2001). O labirinto da hipermídia. São Paulo: Iluminuras.

LUKE, A. & CARRINGTON, V. (2002). Globalisation, literacy, curriculum practice. In R. FISHER, G.

Brooks, e M. Lewis (Eds.), Raising standards in literacy (pp. 231-250). London: Routledge/Falmer.

LEUTHOLD, S. SCHMUTZ, P., BARGAS-AVILA. J. A., TUCH, A. N., e OPWIS, K. (2011). Vertical versus dynamic menus on the world wide web: Eye tracking study measuring the influence of menu design and task complexity on user performance and subjective preference. Computers in Human Behavior, 27 , 459–472.

MCNABB, M. (2006) Navigating Maze of Hypertext, As students rush to online reading, let's make sure they can find their way around hypertexts. Educational Leadership

MANOVICH, L. (2001). The language of new media. Cambridge, MA: The MIT Press. Owens, J., & Shrestha, S. (2008). How Do Users Browse a Portal Website? An Examination of User Eye, Movements, (10)2.

PADOVANI, S. & MOURA, D. (2008). Navegação em hipermídia. Uma abordagem centrada no usuário. Rio de Janeiro, RJ: Ciência Moderna.

PATTERSON, N.G. (2000). Hypertext and the changing roles of readers. English Journal, 90(2). 74-80.

PRETORIUS, M.C., BiLJON, J.V., KOCK, E.D. (2010). Added Value of Eye Tracking in Usability Studies : Expert and Non-expert Participants. Ifip International Federation For Information Processing, 332, 110-121.

RAYNER, K. (1998). Eye Movements in Reading and Information Processing: 20 Years of Research. Psychological Bulletin, 124(3), 372-422.

READENCE, J. E., BEAN, T. W., & BALDWIN, S. (1995). Content area literacy. An Integrated Approach. Dubuque, IA: Kendall/Hunt.

SANTAELLA, L. (2004). Navegar no ciberespaço. O perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo, SP; Paulus.

STEMLER, L. K. (1997). Educational Characteristics of Multimedia: A Literature Review. Jl. of Educational Multimedia and Hypermedia, 6(3/4), 339 359.

SANTOS, E. Leitura de textos eletrônicos em inglês/LE: um estudo exploratório via rastreamento ocular. Universidade Federal do Ceará. Dissertação de mestrado. 2014.

TEIXEIRA, L. H. P. (2005). Design de Interface: Usabilidade e Processos de Comunicação na Infoera. VII Jornada Multidisciplinar: Humanidades em Comunicação. FAAC/UNESP-BAURU.

Publicado
2020-05-12
Seção
Artigos Originais