O ENSINO SUPERIOR A DISTÂNCIA

O PROJETO INTEGRADOR EM MOMENTO DE ENSINO REMOTO EMERGENCIAL

Palavras-chave: Ensino Superior a Distância; Processo de Aprendizagem; Projeto Integrador; Pandemia Covid-19

Resumo

As restrições impostas pelo distanciamento social decorrente da pandemia do novo coronavírus exigiram adaptações das universidades a uma nova realidade de trabalho que privilegiou atividades remotas. No caso da Educação a Distância (EaD), apesar da maioria das atividades ocorrerem virtualmente, algumas adaptações se mostraram necessárias em decorrência da conjuntura pandêmica. Este artigo descreve e analisa, com a intenção de compreender os processos realizados ao longo do desenvolvimento Projeto Integrador (PI), nos cursos da Universidade X durante o ano de 2020. O PI propõe uma formação a partir de atividades realizadas presencialmente nos Polos e no futuro cenário de atuação profissional dos estudantes, algo que nesta contingência teve que ser repensado. Para isso, foi aplicado um questionário ad hoc a mais de 200 orientadores. A partir das análises, pode-se concluir que a conjuntura pandêmica eliminou as atividades presenciais, determinando que a formação no PI ocorresse totalmente na modalidade a distância. Essa transição redirecionou a mediação da aprendizagem a distância de modo que ela acolhesse, por meio de estratégias de orientação e de mobilização de recursos tecnológicos, os momentos de construção de vínculos e de socialização de aprendizagens, antes favorecidos pela interação presencial. Como recomendações, pode-se mencionar o acompanhamento da mediação ativa e preparada para lidar com situações específicas para promover aprendizagens distintas das previstas. Entende-se agora que o PI, eixo curricular obrigatório e fundamental para as aprendizagens profissionais, deve também promover a reflexão sobre como desenvolver aprendizagens em colaboração levando a empatia como ponto chave.

Referências

ARAÚJO, U. F.; SASTRE, G. (orgs.). Aprendizagem baseada em problemas no ensino superior. São Paulo: Summus, 2009.
ARRUDA, E. P. Educação remota emergencial: elementos para políticas públicas na educação brasileira em tempos de Covid-19. EmRede - Revista De Educação a Distância, v. 7, n. 1, p. 257-275, 2020. Disponível em: https://www.aunirede.org.br/revista/index.php/emrede/article/view/621. Acesso em: 10 dez. 2020.
BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.
BARROWS, H. S. Problem-based learning in medicine and beyond: A brief overview. In WILKERSON, L.; GIJSELAERS, W. H. Bringing problem-based learning to higher education: Theory and practice (pp. 3-12). San Francisco: Jossey Bass, 1996.
BEHAR, P. A. Competências em Educação a Distância. Porto Alegre: Grupo A, 2013.
BROWN, T. Design thinking: uma metodologia ponderosa para decretar o 3m das velhas ideias. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010
CHIZZOTTI, A. Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. 11. ed. São Paulo: Cortez, 2010.
COHEN, L.; MANION, L. Métodos de investigación educativa. Madrid: La Muralla, 1990.
COLÁS, M.; BUENDÍA, L.. Investigación educativa (3ª. edição). Sevilla: Affar, 1998.
BRASIL. Ministério da Educação. Decreto nº 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/20238603/do1-2017-05-26-decreto-n-9-057-de-25-de-maio-de-2017-20238503. Acessado em 27 de julho de 2021.
BRASIL. Ministério da Educação. Referenciais de qualidade para educação superior a distância, 2007. Disponível em http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf. Acessado em 27 de julho de 2021.
BRASIL. Casa Civil. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acessado em 27 de julho de 2021.
FAGUNDES, L. C; SATO, L. S. MAÇADA, D. L. Projeto? O que é? Como se faz? In: FAGUNDES, L. C (org). Aprendizes do Futuro: as inovações começaram! Coleção Informática para a mudança na Educação. Brasília, MEC, 1999.
FLICK, U. Introducción a la investigación cualitativa. Madrid: Ediciones Morata, 2004.
GARBIN, M. C.; OLIVEIRA, É. T. Práticas docentes na Educação a Distância: um olhar sobre as áreas do conhecimento. Diálogo Educacional, 19(60), pp. 36-55. Acessado em 11 de janeiro de 2020 em: http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.19.060.DS02, 2019.
HARGREAVES, A. O ensino na sociedade do conhecimento. A educação na era da insegurança. Porto: Porto Editora, 2003.
LATORRE, D. R.; ARNAL, J. Bases metodológicas de la investigación educativa. Barcelona: Ediciones Experiencia, 2005.
OTT, M. B. Ensino por meio de solução de problemas. IN: CANDAU, Vera Maria (org.) A Didática em Questão. Petrópolis: Vozes. 8ª. edição.1989, pp. 66 a 75.
PERRENOUD, P. Dez novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed Editora, 2000.
PERRENOUD; P. Desarrollar la práctica reflexiva en el oficio de enseñar. Barcelona: Graó, 2011.
PLATTNER, H., MEINEL, C.; LEIFER, L. Design Thinking Research – Studying Co-Creation in Practice. New York: Springer, 2011.
TREIN, D.; SCHLEMMER, E. D. R. Projetos de aprendizagem baseados em problema no contexto da web 2.0: possibilidades para a prática pedagógica. Revista e-Curriculum, vol. 4, núm. 2, junho, 2009. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/curriculum/article/view/3225/2147. Acessado em 27 de julho de 2021.
Publicado
2021-10-21
Seção
Relatos de Experiência