NOS ENTREMEIOS DA PRESENCIALIDADE E DA VIRTUALIDADE

uma aposta na redução do distanciamento transacional pela via da educação híbrida

  • Elis Novaes UFES
Palavras-chave: Educação híbrida. Distância Transacional. Personalização. Metodologia ativa.

Resumo

Este artigo objetiva lançar luz sobre o modus operandi da educação a distância e, especificamente, sobre as possibilidades de personalização e individualização do ensino através da implantação e da gestão de estratégias ativas na oferta da educação híbrida. Esta pesquisa foi concebida como uma pesquisa de campo, realizada em uma instituição de ensino superior, no período de fevereiro a dezembro de 2019. Como proposta metodológica, nos valemos de um estudo interventivo, apoiado nas pistas do método cartográfico, que nos permitiu compreender como a implantação planejada da educação híbrida pode ser capaz de impulsionar e promover uma redução do distanciamento transacional através de estratégias de integração e harmonização dos ambientes virtual e presencial. A perspectiva mecânica de aprendizagem, baseada em paradigmas instrucionistas, cuja base se encontra na compreensão do mero sombreamento da educação presencial tradicional com a educação a distância clássica, ainda é uma prática em muitas instituições de ensino no Brasil e no mundo. Isso acontece em desalinhamento com a adequada formação para viver e trabalhar em uma era pós-industrial, baseada na economia do conhecimento, quando aspectos cognitivos mais complexos devem ser considerados.

Referências

Referências

ALVARENGA, C.E.A. Práticas pedagógicas com recursos digitais: instrucionistas ou construtivistas? In: Informática na educação: teoria & prática. Porto Alegre, v.21, n.3, set./dez. 2018. Disponível em file:///C:/Users/elisa/Downloads/71743-372721-1-PB.pdf. Acesso em 10 de fevereiro de 2020.

AMADOR, F.S. NEVES, J.M. Entre a potência da clínica e a clínica da potência no mundo do trabalho. In: AMADOR, F.S. BARROS, M.E.B. FONSECA, T.M.G. (Orgs). Clínicas do Trabalho e Paradigma Estético. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016. p. 47-59.

BEHAR, P.A. Modelos pedagógicos em Educação a Distância. In: BEHAR, P.A. (Orgs.). Modelos Pedagógicos em Educação a Distância. Porto Alegre: Artmed, 2009. p.15-32.
CRISTENSEN, C.M. HORN, M.B. STAKER, H. Ensino Híbrido: uma inovação disruptiva? Uma introdução á teoria dos híbridos. Ed. Institute Clayton Christensen, 2013. Disponível em https://www.pucpr.br/wp-content/uploads/2017/10/ensino-hibrido_uma-inovacao-disruptiva.pdf. Acesso em 10 de maio de 2019.

CABAU, N.C.F. COSTA, M.L.F. A Teoria da Distância Transacional: um mapeamento de teses e dissertações brasileiras. Revista Eletrônica de Educação, v. 12, n. 2, p. 431-447, maio/ago. 2018. Disponível em http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/2268/686. Acessado em 10 de agosto de 2019.

DELEUZE, G,; GUATTARI, F. Mil platôs - capitalismo e esquizofrenia, vol. 1. Rio de janeiro: Ed. 34, 1995. 94 p.

DEWEY, J. Democracy and Education. 1916. Cópia revisada em 1944. New York: The Free Press, 1944.

GARRISON, D.R. KANUKA, H. Blended learning: Uncovering its transformative potential in higher education. Elsevier. Internet and Higher Education 7. 2004. p 95–105.

HORN, M.B. STAKER, H. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre: Penso, 2015, 292p.
MORAES, M. PesquisarCOM: política ontológica e deficiência visual. In: Moraes, M. & Kastrup, V. Exercícios de ver e não ver: arte e pesquisa com pessoas com deficiência visual. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2010.

MOORE, M. G Teoria da Distância Transacional. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, São Paulo, Agosto 2002.
MOORE, M.G. KEARSLEY, G. Educação a Distância: Uma visão integrada. São Paulo: Thomson Learning, 2007. Edição especial ABED. 398p.

PAPERT, S. A Máquina das crianças: repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artes Médicas. 1994.

PEARSON. The Global Learner Survey. Agosto de 2020. Disponível em https://www.pearson.com/news-and-research/the-future-of-education/global-learner-survey.html. Acesso em 10 de agosto de 2020.

PIMENTEL, M. Aprendizagem online é em rede colaborativa: para o aluno não ficar estudando sozinho a distância. SBC Horizontes, 2020. Disponível em http://horizontes.sbc.org.br/index.php/2020/05/principios-educacao-online/, acesso em 20 de maio de 2020.

SHERER, S. Concepções e métodos de estudos em EaD. Curitiba: Acervo digital, Universidade Federal do Paraná, 2016. Disponível em https://acervodigital.ufpr.br/bitstream/handle/1884/44505/Concep%C3%A7%C3%B5es%20e%20M%C3%A9todos%20em%20EAD_2016.pdf?sequence=1&isAllowed=y acesso em 20 de fevereiro de 2020.

VALENTE, J. A. Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida Educar em Revista, núm. 4, 2014, pp. 79-97.

VIRNO, P. Virtuosismo e revolução: a ideia de “mundo” entre a experiência sensível e a esfera pública. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008.
Publicado
2021-05-18
Seção
Artigos Originais