O Sistema UAB e a Certificação em Larga eEscala: das Determinações do Capital aos Fundamentos da Educação a Distância

  • Andréa Villela Mafra da Silva FAETEC/ISERJ ProPEd/UERJ

Resumo

O artigo apresenta a gênese e o desenvolvimento da Universidade Aberta do Brasil por meio do Decreto nº 5.800/2006. Para caracterizar a configuração atual da Universidade Aberta do Brasil parto da formação de uma das primeiras inciativas no campo da Educação a Distância que foi a criação da Universidade Virtual Pública do Brasil (UNIREDE), em dezembro de 1999, como um consórcio interuniversitário que objetiva democratizar o acesso ao ensino superior público. Importante observar que a política de formação de professores, na modalidade a distância, foi normatizada na educação brasileira com a Lei n.º 9394/96. Neste mesmo ano, criou-se a Secretaria de Educação a Distância através do Decreto Nº 1.917, de 27 de maio de 1996, no entanto somente em 2005 a educação a distância é regulamentada, pelo Decreto N° 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Metodologicamente, foi utilizada a pesquisa bibliográfica. Concluo que a política de formação de professores do Sistema UAB segue a lógica neoliberal ao priorizar a formação imediatista, com foco na certificação em larga escala. A suposição é que as políticas de formação de professores na modalidade a distância pautada em concepções tecnicistas e pelo barateamento, em função da redução de custos, por um lado remete ao fetiche tecnológico e por outro, ao atendimento às condicionalidades dos organismos internacionais, especificamente, ao Banco Mundial e a UNESCO. Palavras-chave: Sistema UAB. Certificação em larga escala. Educação a distância.

Biografia do Autor

Andréa Villela Mafra da Silva, FAETEC/ISERJ ProPEd/UERJ
Doutoranda em Educação pelo ProPEd/UERJ Professora do Curso de Pedagogia e Coordenadora de Pesquisa FAETEC/ISERJ

Referências

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2009.

BANCO MUNDIAL. Aprendizagem para todos: Estratégia 2020 para a Educação do Grupo Banco Mundial. Resumo executivo. Washington, D.C.: Banco Mundial, 2011.

BARRETO, Raquel Goulart; LEHER, Roberto. Do discurso e das condicionalidades do Banco Mundial, a educação superior “emerge” terciária. Revista Brasileira de Educação, n. 39, p. 423-436, set./dez. 2008.

BATISTA. Wagner Braga. UniRede: Vetor da privatização do ensino superior. 25ª Reunião Anual. Caxambu, 29 de setembro a 2 de outubro de 2002. Disponível em: goo.gl/PNxfkK Acesso em: 22 jul. 2017.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União. Brasília: Casa Civil da Presidência da República, 1996.

BRASIL. Projeto: Universidade Aberta do Brasil. 2005. Disponível em: http://www.uab.mec.gov.br/. Acesso em: 12 jul. de 2017.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 5.800, de 8 de junho de 2006. Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil - UAB. 2006. Disponível em: https://goo.gl/NlaLIX. Acesso em: 12 jul. de 2017.

BRASIL. Projeto de Lei nº 8035 de 2010. Estabelece o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020, e dá outras providências. Diário Oficial da União. Brasília: Casa Civil da Presidência da República, 2010. Disponível em: goo.gl/2Ul1Hm. Acesso em: 12 jul. de 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 40, de 3 de abril de 2013. Regulamento do Programa de Consolidação das Licenciaturas (Prodocência). Diário Oficial da União. Brasília: Casa Civil da Presidência da República, 2013. Disponível em: goo.gl/WS7QX5. Acesso em: 12 jul. de 2017.

CEDERJ. Lei complementar nº 103, de 18 de março de 2002. Lei da Criação Fundação Cecierj. Disponível em: https://goo.gl/VXntUJ. Acesso em: 12 jul. de 2017.

DUARTE, Newton. As pedagogias do aprender a aprender e algumas ilusões da assim chamada sociedade do conhecimento. 24ª Reunião Anual da ANPEd, realizada em Caxambu (MG), de 8 a 11 de outubro de 2001, p. 35-40.

GENTILI, Pablo. Neoliberalismo e educação: manual do usuário. In: GENTILI, P.; SILVA, T. T. (Org.). Escola S.A.: quem ganha e quem perde no mercado educacional do neoliberalismo. Brasília: CNTE, 1999. p. 9-49.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior. Disponível em: https://goo.gl/fgc1f9. Acesso em: 12 jul. de 2017.

LACÉ, Andréia Mello. A Universidade Aberta do Brasil (UAB): das origens na ditadura militar ao século XXI. Tese [Doutorado em Educação]. Faculdade de Educação, Universidade de Brasília, Brasília, 2014.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. São Paulo: Autores Associados, 2007.

SILVA, Andréa Villela Mafra da, SANTOS, Josiane Cristina dos, BRITO, Karina Lima. Trabalho docente no sistema UAB: Flexibilização e precarização. IV CEDUCE. IV Colóquio Internacional Educação, Cidadania e exclusão. 29 e 30 de junho de 2015. Disponível em: https://goo.gl/2fuwb5. Acesso em: 24 jul. 2017.

SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES E ENSINO SUPERIOR – ANDES-SN. A Universidade Aberta do Brasil: faz-se necessário denunciar o engodo. 2007. Disponível em: www.andes.org.br/univ_nova_engodo.html. Acesso em: 24 jul. 2017.

UNESCO. Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura. Relatório Conciso de Monitoramento Global – Educação Para Todos 2000-2015. Disponível em: https://goo.gl/M6HUIJ. Acesso em: 12 jul. de 2017.

UNIREDE. Democratização do acesso ao ensino superior público: proposta para institucionalização da Unirede. Brasília, Novembro, 2001.

Publicado
2019-03-13
Seção
Artigos Originais