SISTEMA UNA-SUS COMO FERRAMENTA DE DEMOCRATIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO PERMANENTE EM SAÚDE

Perfil dos usuários e capilarização dos cursos autoinstrucionais

Palavras-chave: cursos autoinstrucionais – Educação Permanente – Educação à distância

Resumo

O Sistema UNA-SUS foi instituído em atenção à Política Nacional de Educação Permanente em Saúde, composta de uma rede de 34 instituições responsáveis por ofertas educacionais on-line, em resposta às demandas geradas pelo Ministério da Saúde. Objetivos: verificar o perfil dos usuários e a capilarizarão dos cursos autoinstrucionais da UNA-SUS e a possível contribuição para a democratização da educação permanente dos trabalhadores da saúde. Métodos: levantamento de dados na Plataforma Arouca e análise do software estatístico livre R 3.6. Resultados: houve mais de 2,7 milhões de matrículas em cursos autoinstrucionais da UNA-SUS e capilaridade para todas as regiões de saúde, todos os municípios brasileiros e todos os estados, sendo que a maior procura foi por cursos relacionados a importantes situações clínicas enfrentadas pelos profissionais da Atenção Básica. Houve predomínio de mulheres (80%), brancos (36%), seguidos por pardos (33%), solteiros (57%) e na faixa etária de 21 a 40 anos (70%). Enfermeiros, médicos e dentistas foram os profissionais que mais procuraram cursos da UNA-SUS. Não houve relação entre o número de matrícula em cursos autoinstrucionais ponderados pela população e o IDH do estado, porém foi estabelecida uma relação negativa entre o coeficiente de Gini e o número de  matrículas nos cursos; quanto mais desigual a região, menos alunos matriculados ela possuía. Conclusão: o Sistema UNA-SUS mostrou-se efetivo em oportunizar a Educação Permanente aos trabalhadores da saúde residentes em todas as regiões geográficas do país, incluindo aqueles de áreas com poucas ofertas educacionais presenciais ou gratuitas, contribuindo para a democratização da educação no país.

Biografia do Autor

Kellen Cristina da Silva Gasque, Fundação Oswaldo Cruz
Pesquisadora da Fiocruz-Brasília, trabalhando em projetos relacionados com a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde (PNEPS), atuando no NEaD da EGF/Brasília e na SE da UNA-SUS. Membro do GT de Educacão Remota da VPEIC da Fiocruz. Coordenadora do Mestrado Profissional Saúde Família (ProfSaude)/GEREB/Abrasco/Fiocruz
Moreno Magalhães de Souza Rodrigues, Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-Rondônia)
Pesquisador em Saúde Pública no Centro de Integração de Dados e Conhecimentos em Saúde
Alysson Feliciano Lemos, Secretaria Executiva da UNA-SUS
Coordenador de Avaliação e Monitoramento de Projetos e Programas 
Daniel de Guimarães Araújo, Secretaria Executiva da UNA-SUS
Analista de Sistema da Coordenação de Avaliação e Monitoramento de Projetos e Programas 

Referências

1. Miccas FL, Batista SHSS. Educação permanente em saúde: metassíntese. Rev. Saúde Pública [online]. 2014, vol.48, n.1 [cited 2019-12-19], pp.170-185. Available from: . ISSN 0034-8910. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-8910.2014048004498.
2. Davini MC. Practicas laborales en los servicios de salud: las condiciones del aprendizaje. In: Haddad JQ, Roschke MAC, Davini MC, editores. Educación permanente de personal de salud. Washington: Organización Panamericana de la Salud; 1994. p. 109-25. (Serie Desarrollo de Recursos Humanos, n.100).
3. Paiva CHA, Teixeira LA. Reforma sanitária e a criação do Sistema Único de Saúde: notas sobre contextos e autores. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.21, n.1, jan.-mar. 2014, p.15-35.
4. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria GM/MS nº 1.996, 20 de agosto de 2007: dispõe sobre as diretrizes para a implantação da Política Nacional de Educação Permanente em Saúde [Online]. Brasília (DF); 2007. Acessado em 06 de janeiro de 2020. Disponível em: http://dtr2001.saude.gov.br/sas/PORTARIAS/Port2007/GM/GM-1996.htm.
5. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Departamento de Gestão da Educação na Saúde. Política Nacional de Educação Permanente em Saúde: o que se tem produzido para o seu fortalecimento? / Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Departamento de Gestão da Educação na Saúde – 1. ed. rev. – Brasília : Ministério da Saúde, 2018. 73 p. : il.
6. Brasil. PORTARIA Nº 198/GM de 13 de fevereiro de 2004 Institui a Política Nacional de Educação Permanente em Saúde como estratégia do Sistema Único de Saúde para a formação e o desenvolvimento de trabalhadores para o setor e dá outras providências. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1832.pdf. Acesso em 07 de janeiro de 2020.
7. Cardoso MCL, Costa PP, Costa DM, Xavier C, Souza RMP. A Política Nacional de Educação Permanente em Saúde nas Escolas de Saúde Pública: reflexões a partir da prática. Ciência & Saúde Coletiva, 22(5):1489-1500, 2017.
8. Campos, K., & dos Santos, F. (2016). A educação a distância no âmbito da educação permanente em saúde do Sistema Único de Saúde (SUS). Revista Do Serviço Público, 67(4), 603 - 626. https://doi.org/10.21874/rsp.v67i4.1055.
9. Cezar DM, Costa MR, Magalhães CR. Educação A Distância Como Estratégia Para A Educação Permanente Em Saúde? Em Rede. Revista de Ed a Dist. 2017; 4(1):106-15.
10. Brasil. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 dez. 1996. p. 27833.
11. Brasil. Decreto Nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010. Institui o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde – UNA -SUS, e dá outras providências. Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/3757. Acesso em 07 de janeiro de 2020.
12. Brasil. Portaria Interministerial nº 10, de 11 de Julho de 2013. regulamenta o Decreto nº 7.385, de 8 de dezembro de 2010, que instituiu o Sistema Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde (UNA-SUS). Disponível em: https://ares.unasus.gov.br/acervo/handle/ARES/3756. Acesso em 07 de janeiro de 2020.
13. Blangiardo M, Camaletti M. Spatial and Spatio-temporal Bayesian Models with R-INLA. John Wiley & Sons, Chichester, West Susex (2015).
14. Lemos CLS. Educação Permanente em Saúde no Brasil: educação ou gerenciamento permanente? Ciênc. Saúde Coletiva. 2016; 21(3): 913-922. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015213.08182015.
15. Medeiros AC, Pereira QLC, Siqueira HCH, Cecagno D, Moraes CL. Gestão participativa na educação permanente em saúde: olhar das enfermeiras. Rev Bras Enferm. 2010;63(1):38-42. DOI:10.1590/S0034-71672010000100007.
16. Organização Pan-Americana de Saúde. OPAS. 29a Conferência Sanitária Pan-Americana. 69a Sessão Do Comitê Regional Da Oms Para As Américas. Estratégia De Recursos Humanos Para O Acesso Universal À Saúde E A Cobertura Universal De Saúde. Washington, D.C., EUA, 25 a 29 de setembro de 2017.
17. Rovere M. Gestion estratégica de la educacion permanente en salud. In: Haddad J, Roschke MALC, Davini MC, organizadores. Educación Permanente de Personal de Salud. Washington: Organizacion Panamericana de la Salud; 1994. Série Desarrollo de Recursos Humanos nº100. p. 63-106.
18. Draganov PB, Friedländer MR, Sanna MC. Andragogia na saúde: estudo bibliométrico. Escola Anna Nery Rev Enf. 2011; 15(1): 149-156.
19. Sodré F, Andrade MAC, Lima, RCD, Garcia ACP. Formação em saúde: práticas e perspectivas no campo da saúde coletiva. EDUFES, 2016, 306p.: il.
20. Reich J. Rebooting MOOC Research.Improve assessment, data sharing, and experimental design. Science. Perspectives. 2015; 347(6217): 34-35.
21. Associação Brasileira de Educação à Distância. ABED. Censo EAD.BR: relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil 2018. Curitiba: InterSaberes, 2019.
22. Cezar DM, Paz AP, Costa MR, Pinto MEB, Magalhães CR. Percepções dos médicos sobre a educação a distância e a contribuição da especialização em Saúde da Família. Interface. 2019; 23(1):e180037. http://dx.doi.org/10.1590/interface.180037.
23. de Oliveira PR, Oesterreich AS, de Almeida VL. Evasão na pós-graduação a distância: evidências de um estudo no interior do Brasil. Educ Pesqui. 2018; 44:e165786.
24. Jordan, K. (2015). Massive Open Online Course Completion Rates Revisited:Assessment, Length and Attrition. International Review of Research in Open and Distributed Learning, 16 (3), 341–358. https://doi.org/10.19173/irrodl.v16i3.2112.
25. Reich J. MOOC completion and retention in the context of student intent. Educause Review. 2014. Acesso em 08 de janeiro de 2020. Disponível em:https://er.educause.edu/articles/2014/12/mooc-completion-and-retention-in-the-context-of-student-intent
26. Kizilcec RF, Saltarelli AJ, Reich J, Cohen GL. Closing global achievement gaps in MOOCs. Science. 2017; 355(6322): 251-52.
27. Machado AB, Prado R. Um olhar no processo de ensino-aprendizagem no curso de Pós-graduação Gestão em Saúde na modalidade EaD. Revista da Universidade Vale do Rio Verde. 2016; 14(1):3-13.
28. Tamariz ADR, Souza M. Educação A Distância No Brasil: Perspectivas Para Redução Na Evasão De Alunos Matriculados. Linkania. 2015; 5(1): 227-253.
29. Frankola K. Why online learners drop out? Workforce, v. 80, n. 10, p.53-59, 2001.
30. Reich J, Ruipérez-Valiente JA. The MOOC pivot. Science. Vol. 363, Issue 6423, pp. 130-131. DOI: 10.1126/science.aav7958.
31. Lederman D. Why MOOCs Didn't Work, in 3 Data Points. Inside Digital Learning Print. January 16, 2019. https://www.insidehighered.com/digital-learning/article/2019/01/16/study-offers-data-show-moocs-didnt-achieve-their-goals.
32. Shah D. By The Numbers: MOOCs in 2018. Class Central Report. Disponível em https://www.classcentral.com/report/mooc-stats-2018/ acessado em 06 de janeiro de 2020.
33. Zhenghao C, Alcorn B, Christensen G, Eriksson N, Koller D, Emanuel EJ. Who’s Benefiting from MOOCs, and Why. Harvard Business Review. Education. 2015. Acessado em 07 de janeiro de 2020. Disponível em: https://hbr.org/2015/09/whos-benefiting-from-moocs-and-why.
34. Brites LS, Rocha CMF. Massive Open Online Courses (MOOC): perfil dos cursos no campo da saúde. Renote. 2017; 15(1): 01-10. Doi: http://dx.doi.org/10.22456/1679-1916.75097.
35. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.436, DE 21 DE SETEMBRO DE 2017 Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS).Brasília (DF); 2007. Acessado em 06 de janeiro de 2020. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2017/prt2436_22_09_2017.html.
36. Brasil. Ministério da Saúde. Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde (CNES). Acessado em 06 de janeiro de 2020. Disponível em: http://cnes.datasus.gov.br/.
37. Pereira Junior EA, Ruas CM. Retenção de profissionais em Unidades Básicas de Saúde. Rev. Adm. Saúde. 2019; 19(75):e165. DOI: http://dx.doi.org/10.23973/ras.75.165.
38. Viacava F, de Oliveira RAD, Carvalho CC, Laguardia J, Bellido JG. SUS: oferta, acesso e utilização de serviços de saúde nos últimos 30 anos. Ciênc Saúde Colet. 2018; 23(6): 1751-62.
39. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria em Vigilância em Saúde. Boletim Epidemiológico. Hanseníase. 2018; 49(4): 1-10.
40. Patterson J, Sammon M, Garg M. Dengue, Zika and Chikungunya: Emerging Arboviruses in the New World. West J Emerg Med. 2016;17(6):671–679. doi:10.5811/westjem.2016.9.30904.
41. Estados Unidos da América. Centro de Controle de Doenças e Proteção. Chikungunya: Distribuição Geográfica. Acesso em 08 de janeiro de 2020. Disponível em: http://www.cdc.gov/dengue/epidemiology/index.html#transmission.
42. Estados Unidos da América. Centro de Controle de Doenças e Proteção. Epidemiologia da Dengue. Acesso em 08 de janeiro de 2020. Disponível em: http://www.cdc.gov/dengue/epidemiology/index.html#transmission.
43. Gulland A. Zika virus is a global public health emergency, declares WHO. BMJ. 2016; 2(352): i657. Doi:10.1136/bmj.i657.
44. Estados Unidos da América. Centro de Controle de Doenças e Proteção. Todos os países e Territórios com a Transmissão Ativa do Zica Vírus. Acesso em 08 de janeiro de 2020. Disponível em: http://www.cdc.gov/zika/geo/active-countries.html.
45. Baden L, Petersen L, Jamieson D, et al. Zika Virus. N Engl J Med. 2016;374(16):1552–63.
46. Botega NJ. Comportamento suicida: epidemiologia. Psicologia USP. 2014; 25(3):231-236. Doi: http://dx.doi.org/10.1590/0103-6564D20140004.
47. Oliveira AS, Carvalho AR. A Desigualdade Racial Do Brasil: O Racismo Estrutural E O Determinismo Social. Revista Jurídica Direito, Sociedade e Justiça/RJDSJ. 2017; 5(1):228/230. Suplemento Especial, Resumos Expandidos, 3ª Mostra Científica 2017.
48. Souza MH, Malvasi P, Signorelli MC, Pereira PP. Violence and social distress among transgender persons in Santa Maria, Rio Grande do Sul State, Brazil. Cad Saude Publica 2015; 31(4):767-776.
49. Negreiros FRN, Ferreira BO, Freitas DN, Pedrosa JIS, Nascimento EF. Saúde de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais: da Formação Médica à Atuação Profissional. Revista Brasileira De Educação Médica. 2019; 43(1): 23-31. http://dx.doi.org/10.1590/1981-52712015v43n1RB20180075.
50. Menezes PRM, Lima IS, Correia CM, Souza SS, Erdmann AL, Gomes NP. Enfrentamento da violência contra a mulher: articulação intersetorial e atenção integral. Dossiê Violência: questão de interface entre a saúde e a sociedade. Saude Soc. 2014; 23(3): 778-786.
51. Lettiere A, Nakano MAS. Rede de atenção à mulher em situação de violência: os desafios da transversalidade do cuidado. Rev. Eletr. Enf. 2015;17(4). Disponível em: http://dx.doi.org/10.5216/ree.v17i4.32977.
52. Brasil. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Superior. Sinopse Estatística da Educação Superior. 2018. Acessado em 06 de janeiro de 2020. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior.
53. Ricoldi A, Artes A. Mulheres no ensino superior brasileiro: espaço garantido e novos desafios. Ex aequo. 2016; 33:149-161. Disponível em . Acesso em 07 de janeiro de 2020.
54. Matos IB, Toassi RFC, Oliveira MC. Profissoes e ocupações de saúde e o processo de feminização: tendéncias e implicações. Athenea Digital. 2013; 13(2):239-244.
55. Durães, S. J. A., Jones, K. M. & Silva, M. E. D. (2010). Divisão sexual do trabalho em saúde: estudo de caso do Hospital Universitário Clemente de Faria (2005-2008).
56. Borges TMB, Detoni PP. Trajetórias de feminização no trabalho hospitalar. Cad. Psicol. Soc. Trab. 2017; 20(2):143-157. Doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-0490.v20i2p143-157.
57. Kuzuyabu M. Desigualdade racial diminui, ainda que lentamente. Rev Educ. 2019; 257. Disponível em: https://www.revistaeducacao.com.br/desigualdade-racial/. Acesso em 06 de janeiro de 2020.
58. Passos JC. As desigualdades na escolarização da população negra e a Educação de Jovens e Adultos. Eja Em Debate. 2012; 1(1): 137-58.
59. Brasil. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Populacional 2010. Acessado em 06 de janeiro de 2020. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/.
60. Apaza, R.G., Cervantes, E.V., Quispe, L.C., Luna, J.O.: Online courses recommendation based on LDA. In: SIMBig, 2014; 42–48.
61. Moura A, Cavalcante FG. A educação a distância como instrumento de democratização do ensino: uma estudo de caso na Amazônia Brasileira. Revista Educación y Desarrollo Social. 2017; 11(1):102-115. DOI: http://dx.doi.org/10.18359/reds.2012.
62. Oliveira AE, Silva E. A educação a distância e sua contribuição na inclusão social. Cadernos Zygmunt Bauman 2015; 5(10): 10-18.
63. Rodrigues LO, Araujo JA, Guedes JPM, Silva MMC. Mensuração da desigualdade educacional entre os municípios nordestinos. Revista de Economia Contemporânea. 2017; 21(1):1-31.
64. Tavares JM, Pôrto Junior SS. Análise das desigualdades inter e intraestaduais na região Sul do Brasil por meio da análise de componentes principais. Perspect Econ. 2011; 7(1): 1-14.
65. Organização das Nações Unidas. Índices e IDH: Atualização estatística de 2018. Disponível em: http://hdr.undp.org/sites/default/files/2018_human_development_statistical_update.pdf . Acesso em 08 de janeiro de 2020.
Publicado
2021-04-28
Seção
Artigos Originais