A TESSITURA DO CONHECIMENTO EM GRUPOS NO WHATSAPP

  • Daniela Mendes Vieira da Silva SEEDUC-RJ
  • Agnaldo da Conceição Esquincalha
Palavras-chave: WhatsApp. Cibercultura. Onipresença virtual. Tessitura de conhecimento.

Resumo

Atualmente, a internet permeia a vida de seres humanos em geral.  Os smartphones conectados à grande rede são parte fundamental dessa realidade hiperconectada. Uma de suas aplicações mais populares é a rede social WhatsApp, por meio da qual aproximadamente um bilhão de pessoas se conectam diretamente e em grupos. A interação em grupos de WhatsApp é um fenômeno contemporâneo. Eles são utilizados diariamente para a discussão de interesses pessoais, políticos, familiares, para elaboração de trabalhos escolares ou universitários e para debates sobre especificidades de uma profissão com vistas a melhorar as práticas dos membros de um grupo reunidos em torno de um interesse comum, por exemplo.  Este artigo, um ensaio teórico, discute a tessitura do conhecimento mediada por grupos com interesses comuns no WhatsApp. No desenvolvimento, foi caracterizado o cenário digital que levou ao surgimento e à difusão do WhatsApp, discutiu-se a construção do conhecimento na cibercultura e foram tecidas considerações sobre a tessitura do conhecimento em grupos dessa rede social.  Como resultado  deste trabalho, compreendeu-se que grupos no WhatsApp podem trazer a perspectiva de uma construção de conhecimento comunitária, caótica e onipresente dentro de um tema de interesse de um coletivo.

Referências

ALVES, A. L., PORTO, C. M. Whatsaula: Tudo Híbrido e Misturado. In: Congresso Nacional de Educação, 4, 2016, Natal. Anais... Natal: Conedu, 2016, p. 5-7.

BORBA, M. C., SOUTO, D. L. P. Seres Humanos-Com-Internet ou Internet-Com-Seres Humanos: uma troca de papéis? Relime, v. 19, n. 2, p. 1-26, 2016.

CARR, N. The Shallows: what the internet is doing with our brains. Nova York: W. W. Norton e Company, 2010.

LEVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

_______. As Tecnologias da Inteligência: O futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Ed. 34, 2004.

MENEGHETTI, F. K. O que é um ensaio teórico?. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 2, p. 320-332, 2011.

OLIVEIRA, C. A. Entre processos formativos e interativos: o WhatsApp como espaço significativo na orientação e formação. In: PORTO, C., OLIVEIRA, K. E., CHAGAS, A. (Orgs.). WhatsApp e Educação. Salvador: EDUFBA, 2017, p. 217-234.

SANTAELLA, L. O Homem e as Máquinas. In: DOMINGUES, D. (org.). A Arte no Século XXI: a humanização das tecnologias. São Paulo: Editora da Unesp, 1997, p. 33-44.

_____________. Da cultura das mídias à Cibercultura: o advento do pós humano. Revista Famecos, v. 1, n. 22, p. 23-32, 2003.

_____________. A aprendizagem ubíqua substitui a educação formal? Revista de Computação e Tecnologia da PUC-SP, v. 2, n. 1, p. 17-22, 2010.

_____________. A aprendizagem ubíqua na educação aberta. Revista Tempos e Espaços em Educação, v. 7, n. 14, p. 15-22, 2014.

SANTOS, E. Educação online: cibercultura e pesquisa-formação na prática docente. 2005. 351 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2005.

__________, MADDALENA, T. L. e ROSSINI, T. S. S. Diário hipertextual online de pesquisa: uma experiência com o aplicativo Evernote. In: SANTOS, E. e CAPUTO, S. G. (Orgs.). Diário de pesquisa na Cibercultura: narrativas multirreferenciais com os cotidianos. Rio de Janeiro: Omodê, 2018, p. 91-110.

__________, WEBER, A. Diários online, Cibercultura e pesquisa formação multirreferencial. In: SANTOS, E. e CAPUTO, S. G. (Orgs.). Diário de pesquisa na Cibercultura: narrativas multirreferenciais com os cotidianos. Rio de Janeiro: Omodê, 2018, p. 22-46.

__________, ___________. Diários Online, Cibercultura e Pesquisa-Formação Multirreferencial. In: Anais do Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino, 17, 2014, Fortaleza. Anais... Fortaleza: Endipe, 2014, p. 11-14.

SANTOS, R. A tessitura do conhecimento via mídias digitais e redes sociais: itinerâncias de uma pesquisa-formação multirreferencial. 2011. 232 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

__________, CARVALHO, F. S. P., MADDALENA, T. L. Conversas Ubíquas via WhatsApp: Ambiências Formativas Multirreferenciais. In: PORTO, C., OLIVEIRA, K. E., CHAGAS, A. (Orgs.). WhatsApp e Educação. Salvador: EDUFBA, 2017, p. 193-216.

SILVA, B. D., ALVES, E. J. O. Aplicativo WhatsApp em contextos educativos de letramento digital: possibilidades e desafios. Revista Observatório, v. 4, n. 5, p. 45-68, 2018.

WEBER, A. A. N. R. Educação e Cibercultura: narrativas de mobilidade ubíqua. 2012. 209 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2012.

_______________, SANTOS, E. Educação online em tempos de mobilidade e aprendizagem ubíqua: desafios para as práticas pedagógicas na cibercultura. Revista EDaPECI, v.13. n. 2, p. 168-183, 2013.

WHATSAPP. Sobre. Disponível em: https://www.whatsapp.com/about/. Acesso em: 09 jun. 2019.
Publicado
2021-03-29
Seção
Artigos Originais