Estudo sobre a criação de vínculos afetivos por professores da modalidade EAD

Palavras-chave: Mediação pedagógica na EaD, Afetividade no processo de aprendizagem, Educação a Distância

Resumo

A modalidade de Educação a Distância (EaD) tem merecido destaque nas publicações relacionadas à educação devido aos novos cenários e papéis assumidos por professores e alunos. Os desafios metodológicos são inúmeros; as teorias constroem-se em alicerces constituídos de aprendizagem colaborativa, oferecendo autonomia ao aluno e ao professor. Diante de toda esta mudança de paradigmas que a EaD traz no processo de aprendizagem, um dos aspectos mais relevantes para seu sucesso são as relações entre professores e alunos em um ambiente virtual e como se determina a criação de vínculos indispensáveis nesse processo. O presente estudo teve como objetivo identificar o uso de ações e procedimentos metodológicos que pudessem ser realizados pelos professores da modalidade EaD para a criação de vínculos afetivos com seus alunos, observando de que forma os professores conduzem suas disciplinas com o propósito de fomentar uma relação mediadora que valoriza as dimensões humanas fundamentais. Caracterizou-se por uma pesquisa quantitativa, realizada com uma amostra de 85 professores universitários que atuavam na modalidade 100% a distância, através de um questionário estruturado. Dentre os principais resultados obtidos, destacam-se que 54,1% dos professores investigados atuavam a mais de 9 anos na EaD e 70,6% possuíam alguma formação específica para lecionarem na modalidade a distância. Observou-se que a comunicação entre professor/aluno foi a dimensão que mais precisava de atenção, que os professores ainda enfrentavam barreiras devido a habilidades tecnológicas e pessoais para a comunicação através de áudio e vídeos, e que o professor que já tinha a experiência de ser um aluno EaD favorecia uma maior afetividade no desenvolvimento de suas aulas. O estudo pode concluir que cabe ao professor repensar o seu papel nesse novo contexto, despir-se das metodologias convencionais utilizadas em suas aulas presenciais e assumir a posição de mediador no processo ensino-aprendizagem, traçando novas arquiteturas pedagógicas com vistas à criação de laços sociocognitivos, afetivos e emocionais, pois só assim este viabilizará a aprendizagem significativa de seus alunos.

Biografia do Autor

Simone Imperatore, Universidade Luterana do Brasil
Doutora em Diversidade Cultural e Inclusão Social pela Universidade Feevale (2017), Mestra em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Santa Cruz do Sul (2007), Pós-graduada em Controladoria (URI - 2003), em A Moderna Educação (PUCRS - 2019) e Tecnologias Digitais Aplicadas à Educação (ULBRA -2019) e Bacharel em Ciências Contábeis (2001) pela Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões. Atualmente cursa Pedagogia. Linhas de Pesquisa: Educação Superior, Extensão Universitária, Inclusão Acadêmica e Social, Gestão Educacional, EaD. Projetos de Extensão: Empoderamento de Comunidades Quilombolas e Sistematização de Projetos de Extensão. Docente em cursos de graduação e pós-graduação, presenciais e EAD Atualmente é Gerente de Educação Continuada e Inovação AELBRA, responsável pelas políticas de inovação, extensão (inclusive curricularização) e lato sensu de todas as mantidas. Foi integrante do Colegiado Acadêmico da Pró-reitoria Acadêmica e da Comissão do Plano de Desenvolvimento Institucional ( PDI 2017-2022). Coordena o Relatório Social Anual da ULBRA RS desde 2014, a Comissão de Educação e Promoção de Direitos Humanos e a Comissão Própria de Avaliação ? CPA Canoas. Também é Avaliadora do INEP/MEC.
Simone Echeveste, Universidade Luteranada do Brasil
Possui graduação em Estatística pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1996), Mestrado em Administração- ênfase Marketing pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999) e Especialização em Tecnologias Aplicadas à Educação pela ULBRA (2019). Atualmente é professora das instituições de ensino superior ULBRA e UNIFIN é Coordenadora de Educação Continuada - Pós-graduação EAD da ULBRA. Tem experiência na área de pesquisa mercadológica e assessoria Estatística, sua atual linha de pesquisa e publicações é na área de Educação Estatística e Educação a Distância.

Referências

CAETANO, L. A. A Importância da Afetividade Docente, para o Desenvolvimento Cognitivo de Educandos das Séries Iniciais do Ensino Fundamental. Monografia (Especialização em Educação: Métodos e Técnicas de Ensino). Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2013.

CARVALHO, M. R.; LIMA, R.L. A Importância da afetividade na EaD: uma perspectiva de Wallon. Revista EDaPECI, v. 15, n. 1, p. 196-209, 2015.

FIUZA, P. J. e LEMOS, R.R. "Inovação em Educação: Perspectivas do Uso das Tecnologias Interativas." (2017).

FIUZA, P.J. Aspectos motivacionais na educação a distância análise estratégica e dimensionamento de ações. 2002. 124 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção), Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HONDA, A. M. C; MARTIN, GFS. A importância dos laços afetivos na relação ensino e aprendizagem dos conteúdos de Matemática 2008. Disponível em < http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/22408. pdf>. Acesso em 15 maio, 2019.

LONGARAY, A.NC; RIBEIRO, A. C. R.; BEHAR, Patricia A. Estratégias Pedagógicas para a Educação a Distância: um olhar a partir dos estados de ânimo do aluno. In: Congresso Internacional de Informática Educativa-TISE. 2013.

LONGHI, M., Behar, P., Ribeiro, A., Amaral, C., Rosas, F., Machado, L. Recomendação pedagógica em Educação a distância. Porto Alegre: Penso, 2019.

LOPES, M. S. S. O professor diante das Tecnologias de Informação e Comunicação em EAD. In: GOMES, J. C.; SCHAFFEL, S. L. Formação Docente: diferentes percursos. Rio de Janeiro, 2007.

LORENZONI, N. V. Vínculo afetivo e aprendizagem. Porto Alegre, EST, 2004
OLIVEIRA, Marta Kohl de. O Problema da Afetividade em Vygotsky. In: LA TAILLE, Yles de; OLIVEIRA, Marta Kohl de; DANTAS, Heloysa. Piaget, Wygotsky, Wallow: teorias psicogenéticas em discussão. 17ª. ed. São Paulo: Summus, 1992.

PIAGET. J. Genetic epistemology. New York: Norton, 1970

PIAGET, J. Para onde vai a educação? Rio de Janeiro: José Olympio, 1998

REGINATTO, R. A importância da afetividade no desenvolvimento e aprendizagem. Revista de educação do IDEAU, v. 8, n. 18, p. 1-12, 2013. Disponível em: < https://www.ideau.com.br/getulio/restrito/upload/revistasartigos/11_1.pdf>. Acesso em 15 maio. 2019.

SILVA, F., CARVALHO, V. O papel das relações afetivas na educação a distância no ensino superior, 2014. Acesso em: Out, 2018. Disponível em: www.abed.org.br/hotsite/20-ciaed/pt/anais/pdf/28.pdf

TENÓRIO, A. et al. Ferramentas da educação a distância: a visão do tutor. EAD em foco: Revista Científica em Educação a Distância, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 48-60, jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2015

TENÓRIO, A.; SOUTO, E. V.; TENÓRIO, T. Percepções sobre a competência socioafetiva de cordialidade e a humanização da tutoria a distância. EAD em foco: Revista Científica em Educação a Distância, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 36-47, jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 24 fev. 2015.

TRACTENBERG, L.; TRACTENBERG, R. Seis competências essenciais da docência on-line independente. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, 22., 2007, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos... Rio de Janeiro: ABED, 2007. Disponível em: . Acesso em 24 fev. 2015.

WERTSCH, J.V. A meeting of paradigms. Contemporary Psychoanalysis, 26 (1):53-73, 1990.
Publicado
2020-10-06
Seção
Artigos Originais