A Educação de Surdos em Paralaxe: O Desenvolvimento de um Modelo Colaborativo de Aprendizagem

Palavras-chave: Ambiente Virtual de Aprendizagem, Surdez, Língua Brasileira de Sinais, Educação Bilíngue, Inclusão Social

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar o desenvolvimento do primeiro ambiente virtual de aprendizagem bilíngue para educação de surdos, a partir da descrição de diversas ferramentas específicas para esse público, bem como a construção de um modelo de ensino inovador, capaz de gerar um ecossistema de aprendizagem que integra estudantes surdos e ouvintes em todo o Brasil. Com o propósito de colocar os estudantes surdos na vanguarda da aprendizagem, foi desenvolvida uma proposta metodológica pioneira mediante o uso de uma plataforma totalmente navegável por meio da Língua de Sinais, incluindo ferramentas como Mapa Mental, Fórum Bilíngue, Ambiente Pessoal de Aprendizagem, Repositório Digital, dentre outras. Passado mais de um ano de utilização da plataforma por estudantes das cinco macrorregiões do Brasil, é possível concluir que a gama de recursos descritos neste trabalho potencializa variados procedimentos didático-pedagógicos nos processos de ensino e aprendizagem de estudantes surdos e ouvintes.

Biografia do Autor

Dirceu Esdras, Instituto Nacional de Educação de Surdos
Possui doutorado em Química Biológica na área de Educação, Difusão e Gestão em Biociências pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2013), mestrado em Ciências do Mar (2004) e graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Santa Úrsula (2001) pela Universidade Santa Úrsula. Atuou como professor auxiliar durante 3 anos na Universidade Santa Úrsula. Tem experiência no preparo de material instrucional para fins educacionais como desenhista instrucional (roteirista) de aula para WEB-Biologia da Fundação CECIERJ / Consórcio CEDERJ e como acadêmico no setor de pesquisa da Fundação. Trabalhou na coordenação do grupo do Setor de Material Instrucional em Biologia (SEMIB) do Núcleo de Animações Científicas do INMETRO. É Professor do Magistério Superior na área de Educação a Distância do Instituto Nacional de Educação de Surdos - INES. Ocupou o cargo de Coordenador Adjunto UAB no Instituto Nacional de Educação de Surdos. É atualmente Professor Visitante no IPP - Instituto Politécnico do Porto.
Bruno Galasso, Instituto Nacional de Educação de Surdos
Doutor em Educação pela Universidade de São Paulo com bolsa-sanduíche na Universidade do Minho (Portugal), concedida pelo programa Eramus Mundus External Cooperation (Emundus15). Mestre em Integração da América Latina pela Universidade de São Paulo, com estágio na Universidade de Harvard (USA). Especialista em Planejamento, Implementação e Gestão da Educação a Distância pela Universidade Federal Fluminense. Master of Business Administration em Gestão Estratégica e Econômica em Projetos pela FGV. Graduado em Pedagogia, Comunicação Social e Letras. Consultor acadêmico e gerente de projetos na área de Tecnologia Educativa. Responsável pela implantação do modelo UAB no Instituto Nacional de Educação de Surdos, sendo o primeiro coordenador geral na instituição. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Online - GEPEO. Fundador do Núcleo de Educação Online (NEO) do Instituto Nacional de Educação de Surdos. Responsável pelo desenho didático-pedagógico, implantação e gerenciamento do Curso de Pedagogia Bilíngue nas cinco macrorregiões do Brasil. Avaliador Institucional Externo do SINAES, para ato autorizativo de credenciamento EaD (INEP). Líder do projeto vencedor do prêmio Reimagine Education 2018 (USA). Atualmente, atua como professor convidado no Politécnico do Porto - Portugal (IPP). Dedica-se, principalmente, aos estudos nos seguintes temas: Educação a Distância (EAD); Educação Online; Desenvolvimento de Objetos Digitais de Aprendizagem; Comunidades Virtuais de Aprendizagem; Personal Learning Environment (PLE); Interação e mediação pedagógica; Educação de Surdos.

Referências

ARAUJO, U.; RENATE, F.; GARBIN, M.C.; PASCOALINO, L.N.; ARAUJO, V.A.A (2014). The reorganization of time, space and relationships in school with the use of active learning methodologies and collaborative tools. Educação Temática Digital. Campinas, 16(1), 84-99.
BEAVIS, C., MUSPRATT, S.; THOMPSON R. (2015). Young people, online gaming culture, and education. In J. Wyn & H. Cahill (Eds.), Handbook of children and youth studies (pp. 815–827). Singapore: Springer.
BRASIL. Lei no 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 7 jul. 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 fev. 2018.
CORRÊA, E.S.; BERTOCCHI, D. (2012). A Cena Cibercultural do Jornalismo Contemporâneo: Web Semântica, Algoritmos, Aplicativos e Curadoria. MATRIZes 2. São Paulo: Universidade de São Paulo.
GALASSO, B.; LOPEZ, M.R.S.; SEVERINO, R.M.; LIMA, R.G.; TEIXEIRA, D.E (2018). Processo de Produção de Materiais Didáticos Bilíngues do Instituto Nacional de Educação de Surdos. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, 24(1) 59-72.
GIROUX, H. (2003). Cultura popular, Disney e política pública: uma entrevista com Henry Giroux. Entrevistadora: Márcia Moraes. Fórum Crítico da Educação. Revista do ISEP, Rio de Janeiro, 1(2), 93-102.
GUARINELLO, A.C. (2007). O papel do outro na escrita de sujeitos surdos. São Paulo: Plexus.
LADD, P. (2003). Understanding deaf culture: in search of deafhood. Clevedon: Multilingual Matters.
MACHADO, E.E.; TEIXEIRA, D.E.; GALASSO, B.J. (2017). Concepção do Primeiro Curso Online de Pedagogia em uma Perspectiva Bilíngue Libras-Português. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, 23(1) 21-36.
MOLINA, R. (2007). A pesquisa-ação/investigação-ação no Brasil: mapeamento da produção (1966-2002) e os indicadores internos da pesquisa-ação colaborativa. Tese (Doutorado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.
NEUMAN, S.; ROSKOS, K. (1997). Literacy Knowledge in Practice: Contexts of Participation for Young Writers and Readers. Reading Research Quarterly, 32(1) 10-33.
PIVETTA, E.; SAITO, D.S.; ULBRICHT, V.R. (2014). Deaf and Accessibility: Analysis of a Virtual Learning Environment. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, 20(1) 147-162.
QUEVEDO, S.R.P.; VANZIN, T.; ULBRICHT, V.R. (2014). Ambientes virtuais de aprendizagem bilíngues para surdos em EAD. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância – RBAAD da ABED. Vol. 13.
Publicado
2020-11-19
Seção
Artigos Originais