Relação Entre os Estilos e o Nível de Autorregulação da Aprendizagem dos Alunos de Cursos de Graduação a Distância

  • Anna Priscilla Vieira Braga Universidade Federal do Vale do São Francisco
  • Geida Maria Cavalcanti de Sousa Docente do Colegiado de graduação e do mestrado em Psicologia da Univasf.
  • Carla Fernanda Ferreira Rodrigues
  • Ilana Pereira Bandeira
  • Queila Haine Andrade Campos
Palavras-chave: Estilos de aprendizagem, autorregulação, educação a distância

Resumo

Este estudo avaliou a relação entre estilos e a autorregulação da aprendizagem de alunos de cursos de graduação a distância. Participaram 203 alunos, distribuídos entre os cursos de Pedagogia, Licenciatura em Educação Física e Administração Pública de uma universidade federal em Pernambuco. Os resultados mostraram que houve diferença significativa na forma como os alunos percebem a informação entre os cursos de Pedagogia e Licenciatura em Educação Física. Também foi identificada uma correlação fraca entre os estilos sensorial, intuitivo, visual e verbal com o fator de autorregulação “autoavaliação” e dos estilos sensorial e intuitivo com o fator “busca por ajuda”. Assim, entende-se a importância de uma investigação mais profunda sobre a relação entre esses construtos, de forma que esse conhecimento possa contribuir, ainda mais, para uma aprendizagem efetiva, especialmente na EaD.

Referências

AGUIAR, J. J. B.; FECHINE, J. M.; COSTA, E. B.. Estilos Cognitivos e Estilos de Aprendizagem em Informática na Educação: um mapeamento sistemático focado no SBIE, WIE e RBIE. Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação - SBIE), [S.l.], p. 441, nov. 2014. ISSN 2316-6533. Disponível em: https://br-ie.org/pub/index.php/sbie/article/view/2972. Acesso em: 17 dez. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.5753/cbie.sbie.2014.441.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Censo EAD.BR: Relatório Analítico da Aprendizagem a Distância no Brasil, 2015. Curitiba: ABED; Ibpex, 2016. Disponível em: http://abed.org.br/arquivos/Censo_EAD_2015_POR.pdf. Acesso em: 20 mar. 2018.
BARNARD-BRAK, L.; PATON, V. O.; LAN, W. Y. Self-regulation across time of first-generation online learners. ALT-J, v. 18, n. 1, p. 61-70, 2010. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/full/10.1080/09687761003657572. Acesso em 05 jan. 2018.
BARROS, D. M. V. et al. Estilos de aprendizagem e educação a distância: algumas perguntas e respostas?!. Journal of Learning Styles, v. 3, n. 5, 2010. Disponível em: http://learningstyles.uvu.edu/index.php/jls/article/view/124. Acesso em: 10 out. 2018.
BARROS, D. M. V. et al. Estilos de aprendizagem e permanência no ensino superior a distância: Licenciatura em Educação da Universidade Aberta. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, p. 58-63, 2017. Disponível em: https://repositorioaberto.uab.pt/bitstream/10400.2/6851/1/2889-10423-2-PB revista Braga.pdf. Acesso em: 10 dez. 2018. Doi: 10.17979/reipe.2017.0.12.2889
BEBER, B. et al. AUTORREGULAÇÃO: PROCESSO METACOGNITIVO FACILITADOR DA APRENDIZAGEM. Revista Competência, v. 6, n. 1, 2014.
BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Superior. Brasília: Inep, 2010. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/censo_superior/documentos/2 010/divulgacao_censo_2010.pdf. Acesso em 27 fev. 2018.
CASTRO, R. F. Autorregulação da aprendizagem no ensino superior a distância: o que dizem os estudantes?. Revista Brasileira de Ensino Superior, v. 2, n. 2, p. 15-26, 2016. Disponivel em: http://www.bibliotekevirtual.org/index.php/2013-02-07-03-02-35/2013-02-07-03-03-11/1946-rebes/v02n02/20157-autorregulacao-da-aprendizagem-no-ensino-superior-a-distancia-o-que-dizem-os-estudantes.html. Acesso em 10 dez. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.18256/2447-3944/rebes.v2n2p15-26.
FANTINEL, P. C. et al. Autorregulação da aprendizagem na educação a distância online. In: XVIII Conferência Internacional sobre Informática na Educação. 2013. Disponível em: http://www.tise.cl/volumen9/TISE2013/146- 154.pdf. Acesso em 05 set. 2018.
FELDER, R. M.; SILVERMAN, L. K.. Learning and teaching styles in engineering education. Engineering education, v. 78, n. 7, p. 674-681, 1988. Disponível em: https://www.academia.edu/3122900/Learning_and_teaching_styles_in_engineering_education.. Acesso em 15 mar. 2018.
FELDER, R. M.; SOLOMAN, B. A.. Index of learning styles questionnaire. NC State University. North Carolina State University,(January 1999), p. 1-5, 1996. Disponível em: https://www.webtools.ncsu.edu/learningstyles/. Acesso em 20 mar. 2018.
FERNANDES, J. G. Autorregulação da aprendizagem de alunos matriculados no curso de pedagogia ofertado a distância 2017. Dissertação (Mestrado em Metodologias para o Ensino de Linguagem e suas Tecnologias) – Universidade Norte do Paraná. Londrina, Paraná, Brasil, 2017.
GODOI, M. A. O Perfil do Aluno da Educação a Distância e seu Estilo de Aprendizagem. EaD em FOCO, v. 6, n. 2, 2016. Disponível em: http://eademfoco.cecierj.edu.br/index.php/Revista/article/view/383. Acesso em: 30 set. 2018.
GONÇALVES, A. V. Modelagem automática e dinâmica de estilos de aprendizagem em sistemas adaptativos e inteligentes para educação a distância: estudo comparativo entre duas abordagens. 2016. Dissertação (Mestrado Profissional) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri, Diamantina, 2016.
GOULÃO, F. et al. Permanência de população adulta no ensino superior em modalidade de elearning: contribuições da teoria dos estilos de aprendizagem e do sentimento de auto-eficácia. In: VII Congresso Mundial Estilos de Aprendizagem: Livro de Atas. Instituto Politécnico de Bragança. Escola Superior de Educação, 2016. p. 611-622. Disponível em: http://hdl.handle.net/10400.2/5475. Acesso em: 10 jan. 2019.
GRAF, S.; LIN, T.; KINSHUK. The relationship between learning styles and cognitive traits–Getting additional information for improving student modelling. Computers in Human Behavior, v. 24, n. 2, p. 122-137, 2008. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0747563207000064?via%3Dihub.. Acesso em: 10 jan. 2019. doi: https://doi.org/10.1016/j.chb.2007.01.004.
KURI, N. P. Tipos de personalidade e estilos de aprendizagem: proposições para o ensino de engenharia. 2004. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). Curso de Pós-Graduação em Engenharia da Produção. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, São Paulo, Brasil, 2004.
LEMOS, E.; AMARAL, L. A. M.; OLIVEIRA, L. R. M. Utilização de estilos de aprendizagem no desenvolvimento de ambientes virtuais voltados à educação a distância. Journal of Learning Styles, v. 8, n. 15, 2015. Disponível em: http://learningstyles.uvu.edu/index.php/jls/article/viewFile/229/187. Acesso em 25 abr. 2018.
LEONARDO, E. S.; MOTA, J. B.; GOMES, S. G. S. ESTILOS DE APRENDIZAGEM E SUA INFLUÊNCIA NOS ASPECTOS PEDAGÓGICOS DE CURSOS A DISTÂNCIA. In: XI Congresso Brasileiro de Ensino Superior a Distância. UNIREDE, 2014, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, 2014. Disponível em: http://esud2014.nute.ufsc.br/anais-esud2014/files/pdf/126837.pdf. Acesso em 15 jan. 2017.
LIMA FILHO, R. N.; BEZERRA, E. S.; SILVA, T. B. J. Estilo de aprendizagem dos alunos do curso de Ciências Contábeis. Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, Florianópolis, p. 95-112, 2016. . Disponível em: . Acesso em: 27 jan. 2018. doi:https://doi.org/10.5007/1983-4535.2016v9n2p95.
PAVESI, M.A.M.; ALLIPRANDINI, P.M.Z. Indicativos do perfil do aluno da educação a Distância (EAD) e nível de aprendizagem autorregulada: uma análise descritiva. In: X ANPED SUL, Florianópolis, p. 1-19, 2014. Disponível em: http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/506-0.pdf. Acesso em: 08 mai. 2018.
RODRIGUES, R. L. et al. Validação de um instrumento de mensuração de autorregulação da aprendizagem em contexto brasileiro usando análise fatorial confirmatória. RENOTE-Revista Novas Tecnologias na Educação, v. 14, n. 1, 2016. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/67337. . Acesso em: 17 abr. 2018. doi: http://dx.doi.org/10.22456/1679-1916.67337
RODRIGUES, R. L. et al. Previsão de desempenho de alunos baseados em construtos de autorregulação da aprendizagem. In: Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE). 2017. p. 1207. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2018. doi:http://dx.doi.org/10.5753/cbie.sbie.2017.1207.
ROZA, R. H.; WECHSLER, S. M. Análise da produção científica sobre estilos de aprendizagem e uso de tecnologias. Id on Line Revista Multidisciplinar e de Psicologia, v. 11, n. 37, p. 13-26, 2017. Disponível em: https://idonline.emnuvens.com.br/id/about. Acesso em: 15 dez. 2018. doi: https://doi.org/10.14295/idonline.v11i37.807
SCHMITT, C. S.; DOMINGUES, M. J. C. S. Estilos de aprendizagem: um estudo comparativo. Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), v. 21, n. 2, p. 361-386, 2016. Disponível em: http://submission.scielo.br/index.php/aval/article/view/98539. Acesso em 14 out. 2018.
SCHNITMAN, I. M.. O perfil do aluno virtual e as teorias de estilos de aprendizagem. In. III Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação: redes sociais e aprendizagem, v. 1, p. 1-10, 2010. Disponível em: https://www.ufpe.br/nehte/simposio/anais/Anais-Hipertexto-2010/Ivana-Maria Schnitman.pdf. Acesso em 20 abr. 2018.
SILVA, D. M. et al. Estilos de aprendizagem e desempenho acadêmico na Educação a Distância: uma investigação em cursos de especialização. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 17, n. 57, p. 1300-1316, 2015. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1806-48922015000401300&script=sci_arttext&tlng=pt. Acesso em 30 abr. 2018.
SILVA, L. L. V. Estilos e estratégias de aprendizagem de estudantes universitários. 2012. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil, 2012.
SIMÃO, A. S. ;ABREU, J. C. A; ABDALLA, M. M. Estilos de Aprendizagem na Educação a distância: Um estudo de caso no curso de graduação de Administração Pública da UFF. Revista EDaPECI, v. 15, n. 2, p. 370-392, 2015. Disponível em: http://treinamento.seer.ufs.br/index.php/edapeci/article/view/3706. Acesso em: 14 mar. 2018. doi: https://doi.org/10.29276/redapeci.2015.15.23706.370-392
TESTA, M. G.; LUCIANO, E. M. A influência da autorregulação dos recursos de aprendizagem na efetividade dos cursos desenvolvidos em ambientes virtuais de prendizagem na internet. REAd-Revista Eletrônica de Administração, v. 16, n. 2, p. 481-513, 2010. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4011/401137516010.pdf. Acesso em 20 set. 2018.
Publicado
2020-08-31
Seção
Artigos Originais