Quatro elementos compartilhados pelo campo cultural dos games e dezesseis princípios de aprendizagem

  • Luis Henrique Sforzin Pazzini PUC-Rio / SEEDUC-RJ
  • Gilda Helena Bernardino de Campos CCEAD PUC-Rio

Resumo

Os games (jogos digitais) estabelecem relação com linguagens de outras mídias e têm a propriedade de manifestar aspectos da vida humana. Constituem um fenômeno da cultura digital que vem se sofisticando cada vez mais e multiplicam o desenvolvimento de inúmeros estilos de design de jogo, produzindo experiências diversificadas através de seus inovadores sistemas de jogabilidade. Logo, os games possuem plasticidade para incorporar diversos fins e, como objeto cultural, atraem diferentes segmentos sociais para explorá-lo, tais como gamers (jogadores), desenvolvedores (indústria) e pesquisadores (acadêmicos). Este artigo discute uma conceituação baseada em elementos compartilhados pelo campo cultural dos games e se apropria da análise crítica sobre a gamificação para investigar se um game do estilo de design mundo aberto possibilita mediação de princípios de aprendizagem à luz da abordagem da cognição situada.

Referências

BAVELIER, D. GREEN, C. S. HAN, D. H. RENSHAW, P. F. MERZENICH, M. M. GENTILE, D. A. Brains on video games. NATURE REVIEWS | NEUROSCIENCE – Vol. 12, Dez. de 2011.

COUTINHO, I., J. Videojogos e aprendizagem: considerações e reflexões sobre as contribuições de James Paul Gee. Portal da Comunicação InCom-UAB, Barcelona, 22 set. 2017, seção Lições. Disponível em: http://portalcomunicacion.com/lecciones_det.asp?lng=por&id=98

GEE, J. P. What video games have to teach us about learning and literacy? New York: Palgrave / Macmillan, 2003.

GEE, J. P. Bons videogames e boa aprendizagem. Revista Perspectiva, Florianópolis, vol. 27, n. 1, p. 167-178, jan./jun. 2009.

LEMOS, A. Infraestrutura para Cultura Digital: o que é a cultura digital ou cibercultura? in Cultura digital.br. SAVAZONI, R., COHN, S. (org.). Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2009.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2014.

MARTENS, A.; MUELLER, W. Gamification - A Structured Analysis. in 16th IEEE International Conference on Advanced Learning Technologies (ICALT), 2016, Austin, Advanced Technologies for Supporting Open Access to Formal and Informal Learning, The University of Texas at Austin, IEEE Computer Society, 25 a 28 de julho de 2016, p. 138 a 142.

MORAIS, Ricardo. A Revolução do Design Thinking. Público, Lisboa, 24 jul. 2013, Caderno Opinião. Disponível em: https://www.publico.pt/2013/07/24/economia/opiniao/a-revolucao-do-design-thinking-1601137

NETO, E. G.; GUIMARÃES, J. L. B.; ASSIS, M. A. Educar pela Sociologia: contribuições para formação do cidadão. Belo Horizonte: RHJ, 2012.

PETRY, L. C. O Conceito Ontológico de Jogo in Jogos Digitais e Aprendizagem – fundamentos para uma prática baseada em evidências. ALVES, L. COUTINHO, I. (org.) São Paulo: Papirus, 2017.

PISCHETOLA, M. HEINSFELD, B. D. Cultura digital e educação, uma leitura dos Estudos Culturais sobre os desafios da contemporaneidade. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 12, n. esp. 2, p. 1349-1371, ago. /2017.

SCHLEMMER, E. Projetos de aprendizagem gamificados: uma metodologia inventiva para a educação na cultura híbrida e multimodal. Momento: diálogos em educação, v. 27, n. 60 1, p. 42-69, jan./abril. 2018

VIGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
Publicado
2020-11-19
Seção
Artigos Originais