Acessibilidade: Avaliação de Adequação no Curso a Distância para Pessoa com Deficiência Visual

  • Rita de Cassia dos Santos Nunes Lisboa Universidade Aberta do SUS da Universidade do Rio de Janeiro (UNA-SUS/UERJ)
  • Márcia Maria Pereira Rendeiro

Resumo

O debate sobre a construção de uma sociedade igualitária e inclusiva tem conduzido a reflexões sobre a acessibilidade, utilizando o ambiente virtual de aprendizagem, no processo de ensino e aprendizagem, para pessoas com deficiência visual. Este artigo apresenta uma análise sobre a configuração dos recursos disponíveis no LMS Moodle, segundo os preceitos do W3C (World Wide Web Consortium) e as recomendações do WCAG (Web Content Accessibility Guidelines), no que tange a acessibilidade em ambientes virtuais. O principal objetivo deste trabalho foi avaliar as ferramentas do Moodle disponíveis no mapa de aprendizagem de um curso autoinstrucional e verificar a acessibilidade a deficientes visuais nos recursos referentes aos rótulos, questionários, glossário, pastas, pesquisas, ícones e páginas, utilizando como tecnologia assistiva o leitor de tela Jaws. A pesquisa foi realizada no curso autoinstrucional “Doenças Endócrino-Metabólicas e Nutrição”, ofertado no ano de 2017, pela Universidade Aberta do SUS/UERJ. O procedimento metodológico utilizado foi a pesquisa aplicada, descritiva, fundamentada pela epistemologia quali-quantitativa. As evidências na pesquisa descrevem que o recurso “rótulo” foi configurado parcialmente com a inserção da descrição das imagens. Ademais, o recurso “pasta” que disponibilizou o material em pdf de estudo para download, não atendeu as normas de acessibilidade, impossibilitando assim a leitura através do leitor de tela. Em contrapartida, os demais recursos apresentaram-se acessíveis e corresponderam as normas segundo os preceitos do WCAG, assim permitindo a acessibilidade também para pessoas com deficiência visual. Desta forma, é possível concluir que a maioria dos recursos do Moodle para este curso foram criados e configurados de forma que atendessem as normas de acessibilidade.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: <http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefield-description%5D_24.pdf>. Acesso em: 5 maio 2018.

BACH, C.F. et al. Diretrizes de acessibilidade: uma abordagem comparativa entre WCAG e eMAG. 2009. In: Revista Eletrônica de Sistema de Informação. Disponível em: <http://www.periodicosibepes.org.br/index.php/reinfo/article/view/271/233>. Acesso em: 21 fev. 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 29 nov. 2016.

______. Decreto nº 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis nº 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e a nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Decreto/D5296.htm>. Acesso em: 15 fev. 2019.

______. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a convenção internacional sobre os direitos das pessoas com deficiência e seu protocolo facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Decreto/D6949.htm>. Acesso em: 16 fev. 2019.

______. Decreto nº 7.724, de 16 de maio de 2012. Regulamenta a Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011, que dispõe sobre o acesso a informações previsto no inciso XXXIII do caput do art. 5º, no inciso II do § 3º do art. 37 e no § 2º do art. 216 da Constituição. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/decreto/d7724.htm>. Acesso em: 16 fev. 2019.

COELHO, C. M. M. et al. Acessibilidade para pessoas com deficiência visual no Moodle. 2011. Disponível em: <http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/14027/1/ARTIGO_AcessibilidadePessoasDeficiencia.pdf>. Acesso em: 30 out. 2016.

FERREIRA, A. B. H. Dicionário Eletrônico Aurélio Século XXI. Disponível em: <https://dicionariodoaurelio.com/>. Acesso em: 5 nov. 2017.

FERREIRA, S. B. L.; NUNES, R. R. E. Usabilidade. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

LEMOS, E. S.; BERNARDIS, G.; DAL-FORNO, J. P. Diretrizes de acessibilidade para deficientes visuais no Moodle: guia para professores. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/67327/38420>. Acesso em: 5 nov. 2017.

MAGALHÃES, M. T. Q.; ARAGÃO, J. J. G.; YAMASHITA, Y. Definições formais de mobilidade e acessibilidade apoiadas na teoria de sistemas de Mario Bunge. Disponível em: <http://periodicos.unb.br/index.php/paranoa/article/view/10629>. Acesso em: 3 maio 2018.

MANOEL, V. A. Educação inclusiva na EaD: Programa de Promoção da Acessibilidade Virtual (PPAV). 2008. Disponível em: < https://periodicos.ufsc.br/index.php/pontodevista/article/view/20450 >. Acesso: 23 fev. 2018.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do trabalho científico. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MIRANDA, A. S. Recomendações de acessibilidade digital em cursos de educação a distância via web para portadores de deficiência visual. Dissertação (Mestrado em Ciência da Computação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/83460>. Acesso em: 10 jan. 2017.

MOODLE. Community driven, globally supported. Disponível em: <https://moodle.org>. Acesso em: 10 jun. 2017.

RIBAS, J. H. et al. Aplicação dos critérios de acessibilidade: um estudo de caso na página do framework de preço de venda. 2011. Disponível em: <http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevTecnol/article/viewFile/11459/9495>. Acesso em: 19 fev. 2019.

SILVA, O. M. Epopeia ignorada: a história da pessoa deficiente no mundo de ontem e de hoje. 1987. Disponível em: <https://pt.scribd.com/doc/130604275/A-Epopeia-Ignorada-Oto-Marques-da-Silva-corrigido>. Acesso em: 25 jul. 2017.

SONZA, A. P. Ambientes virtuais acessíveis sob a perspectiva de usuários com limitação visual. Tese (Doutorado em Informática na Educação) – Centro Interdisciplinar de Novas Tecnologias, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2008. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/14661/000666392.pdf>. Acesso em: 19 fev. 2019.

SONZA, A. P.; KATE, A., FAÇANHA, A. Acessibilidade e tecnologia assistiva: pensando a inclusão sociodigital de pessoas com necessidades especiais. 2013. Disponível em: <http://www.planetaeducacao.com.br/portal/conteudo_referencia/acessibilidade-tecnologia-assistiva.pdf>. Acesso em: 6 jan. 2018.

TEIXEIRA, F. Acessibilidade: como funcionam os leitores de tela. 2015. Disponível em: <https://brasil.uxdesign.cc/acessibilidade-como-funcionam-os-leitores-de-tela-3d9b610216e1>. Acesso em: 3 jan. 2018.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2008. Disponível em: <https://pt.scribd.com/document/228749906/THIOLLENT-Michel-Metodologia-Da-Pesquisa-Acao-Sao-Paulo-Cortez-1998-Cap-2>. Acesso em: 10 set. 2017.

W3. Diretrizes de acessibilidade para conteúdo web (WCAG 2.0). 2008. Disponível em: <http://www.w3.org/Translations/WCAG20-pt-br/>. Acesso em: 10 out. 2018.

______. Web accessibility evaluation tools list – 2014. Disponível em: <http://www.w3.org/WAI/ER/tools/>. Acesso em: 10 fev. 2019.

W3C. Cartilha acessibilidade na web. 2016. Disponível em: <http://www.w3c.br/pub/Materiais/PublicacoesW3C/cartilha-w3cbr-acessibilidade-web-fasciculo-I.html>. Acesso em: 10 fev. 2019.

Publicado
2019-08-29
Seção
Relatos de Experiência