Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs) como ferramentas de apoio em Ambientes Complexos de Aprendizagem (ACAs)

Diego de Oliveira Martins, Simone Aparecida Tiziotto, Edson Walmir Cazarini

Resumo


Este artigo tem o objetivo de reconhecer algumas formas de apropriação dos Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVAs) nos Ambientes Complexos de Aprendizagem (ACAs), dadas às suas especificidades, buscando refletir se estão contribuindo, efetivamente, para o processo de aprendizagem nos cursos superiores e verificar se apenas funcionam como mecanismos de reafirma- ção de um status quo. Para tanto, foi realizada uma investigação exploratória descritiva, que se iniciou como um estudo bibliográfico, seguida por uma pesquisa de amostragem a partir de 150 artigos de periódicos publicados no período de 2009 a 2014 sobre o tema em questão. Os resultados são paradoxais, pois, apesar de demonstrarem certa constância de práticas ainda recursivas, também apresentam 21 requisitos que parecem demonstrar potencial, desde que inseridos em um movimento de constante ascendência, para atender as demandas das novas gerações de discentes da educação superior. Ressalva-se que, apesar das dificuldades que a tomada de uma decisão em ACAs pode representar, a importância de se estudar este tema, de refletir sobre ele e de se encontrarem as melhores opções de ações didático-pedagógicas é tão significativa que pode representar a diferença entre desmotivar e fomentar o fracasso ou motivar e proporcionar opções efetivas de sucesso nos processos de aprendizagem.

Palavras-chave


Ambientes Complexos de Aprendizagem. Ambiente Virtual de Aprendizagem. Tomada de decisão. Educação superior. Aprendizagem.

Texto completo:

PDF PDF - Inglês

Referências


Ackerman, D. S.; Ramapo, C. C.; Aurora, B. A. V. S. (2010) Transitions in classroom technology: how to use moodle effectively. In: Conference Proceedings, Seattle.

Agha, K.; K., G. R.; Poojary, N. (2014) Strategies of providing feedback on student work: Enhancing Student Experience at Middle East College, Sultanate of Oman. International Journal of Education and Research, v. 2, n. 6.

Alyrio, R.D. (2009) Metodologia científica. PPGEN: UFRRJ.

Araújo, M. M. S. (2007) O pensamento complexo: desafios emergentes para a educação on-line. Rev. Bras. Educ., v. 12, n. 36, RJ.

Boettcher, D. M. (2011) Novas tecnologias e aprendizagem da língua inglesa: potencialidade num ambiente complexo. Rev. Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v.19, n. 1, p. 296-307.

Caetano, F. S. C.; Quaglia, I. (2014) A utilização da ferramenta moodle em cursos presenciais em uma instituição de ensino superior. EAD em foco, v. 4, n. 2.

Canto, P. et al. (2010) Cómo usamos Moodle em nuestras asignaturas adaptadas al EEES. IEEE-RITA, v. 5, n. 3.

Carvalho, E. A. (2011) Posts Tagged pensamento complexo - ent Rev.. Disponível em: . Acesso em: 20 mar.

CBN. Conhecimento deve dobrar no mundo a cada 73 dias em 2020 (2013). Disponível em: . Acesso em: 7 out.

Cordenonsi, A. Z. et al. (2011) eMail no Moodle: diálogo-problematizador para educar para a liberdade. In: Anais Moodle Moot, p. 91-97, Brasil.

Debastiani, F. et al. (2014) Os limites disciplinares e a importância de uma educação contextualizada: formação e práticas dos profissionais em saúde na perspectiva transdisciplinar. In: INESCO, 2º Congresso Paranaense, Curitiba.

Deschamps, E. (2014) Entender o aluno é o caminho para uma aprendizagem produtiva. Disponível em: . Acessoem: 18 nov.

Despotović-Zrakić, M. et al. (2012) Adaptivity in Moodle LMS Courses. Educational Technology & Society, 15 (1), p. 326-338.

Djouad, T.; Mille, A.; Reffay, C.; Benmohammed, M. (2010) A new approach based on modelled traces to compute collaborative and individual indicators human interaction. In: Advanced Learning Technologies (ICALT) - IEEE 10th International Conference on, 5-7 jul.

Dutra, R. L. S.; Tarouco, L. M. R.; Passerino, L. M. (2010) Utilização de objetos de aprendizagem abertos SCORM para dar suporte à avaliação formativa. In: Rev. Brasileira de Informática na Educação, n. 3, v. 18.

Faria A. C.; Cunha, I.; Felipe, Y. X. (2008) Manual prático para elaboração de monografias: trabalhos de conclusão de curso, dissertações e teses. 3. ed. Petrópolis: Vozes.

França, A. B.; Soares, J. M. (2011) Sistema de apoio a atividades de laboratório de programação via Moodle com suporte ao balanceamento de carga. In: Anais do XXII SBIE - XVII WIE, Aracaju.

Fransen, J. (2011) The Power of Peer Feedback in the Master Programme Learning & Innovation. In: ATEE 2011 Conference, Inholland University.

Freire, P. (2007). Ação cultural para a liberdade e outros escritos. 12. ed. Paz e Terra.

Garcia Aretio, L. (Coord.) et. al (2009) Concepción y Tendencias de laEducación a Distancia en América Latina. Madrid: OEI.

Gil, A. C. (2010) Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. SP: Atlas.

Gough, N. (1999) Rethinking the subject: (de) constructing human agency in environmental education research. Environmental Education Research, 5(1), 35-48.

Harris, T. (2012) Individualising Media Practice Education Using a Feedback Loop and instructional videos within an elearning environment. Systemics, Cybernetics and Informatics, v. 10, n. 3.

Heredia, J. M.; Faria, E. T. (2014) Avaliação em EAD: uma análise do moodle provas da UAB-UFSC. In: XI ESUD, p. 109-123, Florianópolis.

Jesus, D. A. N.; Lima Filho, R. N. (2013) Nível de aprendizagem no ensino de contabilidae: um modelo de diagnóstico a partir da Taxonomia Revisada de Bloom. Rev. de Administração e Contabilidade da FAT, v. 5, n. 3.

Kashyap, A. (2011) A curriculum feedback collection tool for UC-WISE courses on the Moodle Virtual Learning Environment. Technical Report n. UCB/EECS-148, University of California, Berkeley.

Kay, V. N. (2014) Ferramentas Web 2.0 para atividades em Educação a Distância utilizadas em conjunto com o Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle. EaD& Tecnologias Digitais na Educação, v. 1, n. 3.

Lima Junior, W. T. O uso dos Sistemas de Suporte à Decisão (SSD) visando à melhora da qualidade do conteúdo jornalístico (2009). Rev. FAMECOS, n. 38, p. 79-85, RS.

Litto, F. M.; Formiga, M. (2009) Educação a distância: o estado da arte. SP: Pearson.

Lobato, M. C. A. (2012) Mediações docentes em fóruns educacionais do curso de licenciatura em letras da UFPA. In: IX ESUD 2012, Recife.

Mansur, A. F. U.; Carvalho, R. A.; Biazus, M. C. (2011) Rede de Saberes Coletivos (ReSa): um ambiente complexo para aprendizagem acadêmica por meio de redes sociais. Anais do XXII SBIE - XVII WIE, Aracaju.

Marconi, M. A.; Lakatos, E. M. (2011) Metodologia do trabalho científico. 4. ed. SP: Atlas.

Martins, R. X. (2010) Ferramentas de avaliação para ambientes virtuais de aprendizagem. In: II Colóquio Regional EAD – Edição Internacional, Juiz de Fora.

McNeill, M. et al. (2012) A pedagogical evaluation of moodle extensions. In: Ascilite 2012, New Zealand.

Mendonça, L. S.; Costa, P. S. (2014) O uso da plataforma moodle como apoio ao ensino presencial. Diversa Prática, v. 2, n. 1.

Morchio, I. L. (2014) Inventario de concepciones y experiencias de aprender enlauniversidad (INCEAPU). Rev. de Orientación Educacional, v. 28, n. 53, p. 77-96.

Moore, M. (2012) Best practices in moodle course design. In: Ireland & UK Moodlemoot 2012 - Conference Publication. University DCU.

Moran, J. M. (2009) A educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. In: Como utilizar as tecnologias na escola. 4. Ed. SP: Papirus.

Morais, R. M. O. (2014) O caráter cético do pensamento cartesiano. Pensar - Rev. Eletrônica da FAJE, v. 5, n. 1, p. 39-53.

Moreira, M. P.; Favero, E. L. (2009) Um ambiente para ensino de programação com feedback automático de exercícios. In: Anais CSBC, UFRGS, RS.

Morin, E. (2006) Introdução ao pensamento complexo. RS: Sulina.

Oliveira, D. (2014) A produção de texto no ambiente online de aprendizagem moodle: relato de experiência. Texto Livre: Linguagem e Tecnologia, UFMG, v. 7, n. 1.

Pereira, A. (2007) Ambientes Virtuais de Aprendizagem: em diferentes contextos. RJ: Ciência Moderna.

______, L. S. S. A.; França, G. (2013) Os Ambientes Virtuais de Aprendizagem (AVA): um estudo do moodle no curso de pedagogia da UFT. InterSciencePlace - Rev. Científica Internacional, v. 1, n. 25, p. 76-92.

______, T. R. D. S. (2010) O moodle como apoio à aprendizagem na disciplina metodologia científica e tecnológica da produção no curso de engenharia de produção civil na UNEB. In: 38 COBENGE.

Prados, J.; Santos, R. G. O trabalho na plataforma moodle como criação de uma comunidade de aprendizagem. In: Anais do SIED: EnPED.

Piaget, J. (2007) Epistemologia genética. Tradução de Álvaro Cabral. 3. ed. SP: Martins Fontes.

Puntambekar, S.; Hubscher, R. (2005) Tools for scaffolding students in a complex learning environment: What have we gained and what have we missed?. Educational psychologist, 40(1), 1-12.

Ramalho, R.; Rodrigues, E. (2013) Instrumentos de transdisciplinaridade usando o moodle possíveis contributos de um espaço formativo. Disponível em: . Acesso em: 20 nov.

Rupp, A. A. et al. (2010) Evidence-centered design of epistemic games: Measurement principles for complex learning environments. The Journal of Technology, Learning and Assessment, 8(4).

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lúcio, M. P. B. (2013) Metodologia de Pesquisa. 5. ed. SP: McGraw Hill.

San Diego, J. P. et al. (2012) Do Moodle analytics have a role to play in learning design, feedback and assessment? In: 1st Moodle Research Conference, Heraklion, Crete-Greece.

Santos, D. C.; Lourenso, R. (2014) Usability analysis of moodle - a course management tool (CMS). In: 11th International Conference on Information Systems and Technology Management – CONTECSI, p. 3807-3823, 28-30 maio, SP.

______, J. F. S. (2006) Avaliação no Ensino a Distância. In: Rev.Iberoamericana de Educación - RIE, n. 4.

Shimizu, T. (2010) Decisão nas organizações. 3. ed. SP: Atlas.

Silva, A. (2009) Aprendizagem em Ambientes Virtuais: e educação a distância. RS: Mediação.

Silveira, S. R.; Ribeiro, V. G.; Rodrigues, A. (2014) Um estudo de caso sobre a aplicação de técnicas de hipermídia adaptativa no ambiente virtual de aprendizagem moodle. Rev. Educa OnLine, v. 8, n. 2.

Souza, R. A. (2013) Memorial reflexivo como instrumento de avaliação formativa em curso online. Rev. e-Curriculum, SP, n. 11, v. 3.

Stickler, U.; Hampel, R. (2010) CyberDeutsch: Language Production and user preferences in a moodle Virtual Learning Environment. CALICO Journal, v. 28, n. 1.

Tagata, W. M. (2012) O potencial do moodle para o aprendizado colaborativo de inglês. Rev. L@el, v. 5, n. 2.

Teixeira, M. R. F. (2014) A disciplina de gestão do conhecimento no currículo do curso de biblioteconomia: a experiência da UFRGS, Brasil. REBECIN, v.1, n.1, p.48-57.

Tidd, J.; Bessant, J.; Pavitt, K. (2008) Gestão da inovação. 3. ed. SP: Bookman.

Vasilyeva, E.; Pechenizkiy, M.; Bra, P. (2009) Personalisation in e-learning environments at individual and group level. Corfu, Greece, p. 25-29.

Vergara, Sylvia Constant. (2014) Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 15. ed. SP: Atlas.

Vygotski, L. S. (1991) A formação social da mente. 4. ed. SP: Martins Fontes.

st CENTURY LEARNING ENVIRONMENTS (2014) Partnership for 21st century skills. Disponível em: . Acesso em 20 nov.

Zanete, E. N. et al. (2010) Construindo novas interações: AVA e Lousa Digital Interativa no ensino superior. Renote, v. 8, n. 2.




DOI: http://dx.doi.org/10.17143/rbaad.v15i0.277

Fontes de Indexação:

 

© Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância
Brazilian Review of Open and Distance Learning Rua Vergueiro, 875 - 12º andar, conjuntos 123/124
Liberdade - CEP 01504-000 - São Paulo - Brasil
Tel: (55) 11 3275-3561 / Fax: (55) 11 3275-3724
rbaad@abed.org.br