Ambientes virtuais de aprendizagem bilíngues para surdos em EAD

Silvia Regina Pochmann de Quevedo, Tarcísio Vanzin, Vania Ribas Ulbricht

Resumo


Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) constituem-se em ferramentas estratégicas na interação entre os indivíduos, os grupos sociais e as formas de organização de conhecimento na sociedade contemporânea. A popularização da internet apresenta o desafio de um paradigma centrado no respeito às diferenças e no desenvolvimento das potencialidades de todas as pessoas. Procurando contribuir para uma sociedade cada vez mais inclusiva, este artigo apresenta revisões sistemáticas da literatura, discute como os surdos estão colocados em nossa sociedade, seus principais problemas de aprendizagem e sua inserção no uso das TIC. Para tanto, a partir de um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) inclusivo, foram testadas diferentes narrativas para o ensino de Geometria Descritiva junto a alunos surdos e ouvintes. Posteriormente, grupos focais discutiram as experiências. Após, as discussões foram analisadas com base na Análise Crítica do Discurso, proposta por Norman Fairclough. Os resultados indicaram que os ambientes virtuais de aprendizagem bilíngues utilizados em Educação a Distância (EAD) poderão oferecer ao aluno surdo acessibilidade e compartilhamento com colegas ouvintes.

Palavras-chave


Acessibilidade, Surdos, Ambientes Virtuais de Aprendizagem.

Texto completo:

PDF PDF - Inglês PDF - Espanhol

Referências


ASSOCIAÇÃO DE SURDOS DA GRANDE FLORIANÓPOLIS. Disponível em . Acesso em 5 set. 2014.

BOTELHO, P. Linguagem e letramento na educação de surdos: ideologias e práticas pedagógicas. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. CAMPBELL, S. I. Múltiplas faces da inclusão. Rio de Janeiro: Wak, 2009.

CORDEIRO, A. A.; DIAS, M. G. O raciocínio lógico-dedutivo do surdo que se utiliza da linguagem gestual ou oral. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 3, n. 11, p. 193-202, 1995.

CONTE, M. P.; RAMPELLI E. L. P.; VALTERRA, V. Deaf Children and the Construction of Written Texts. In: PONTECORVO, C.; ORSOLINI, M.; BURGE, B.; LAWRENCE, E.; RESNICK, B. (Org.). Children's Early Text Construction. Mahwah: Lawrence Earlbaum Associates, 1996. p. 303-319. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2001.

COCHRANE COLLABORATION. Disponível em: . Acesso em: 19 set. 2012.

DORZIAT, A. Metodologias específicas ao ensino de surdos: análise crítica. Disponível em: . Acesso em: 8 set. 2014.

FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Coordenação de tradução, revisão técnica e prefácio de Isabel Magalhães. Brasília: Aniversidade de Brasília, 2001.

FÁVERO, L. L.; KOCH, I G. V. Linguística textual: introdução. São Paulo: Cortez, 2000.

FEDERAÇÃO NACIONAL DE EDUCAÇÃO E INTEGRAÇÃO DOS SURDOS. Disponível em: . Acesso em 8 set. 2014.

FERNANDES, E. Problemas linguísticos e cognitivos do surdo. Rio de Janeiro: Agir, 1990.

GARCEZ, R.; MAIA, L. O.; Rousiley, C. M. Lutas por reconhecimento dos surdos na Internet: efeitos políticos do testemunho. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 17, n. 34, p. 85-101, out. 2009. Disponível em: .Acesso em: 19 set. 2010.

GLICKMAN, N. S. Adapting Best Practices in CBT for Deaf and Hearing Persons with Language and Learning Challenges. Journal of Psychotherapy Integration, Washington, v. 19, n. 4, p. 354–384, dez. 2009.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. São Paulo: Plexus, 1997.

GÓES, M. C. R. Linguagem, surdez e educação. Campinas: Autores Associados, 1996.

INSTITUTO NACIONAL DE EDUCAÇÃO DOS SURDOS. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2011.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2010. Disponível em: . Acesso em: 8 set. 2014.

RIO GRANDE DO SUL. Assembleia Legislativa do Estado do Rio Grande do Sul. Manual de Redação. Disponível em: . Acesso em: 8 set. 2014.

MARCHESI, A. Comunicação, linguagem e pensamento das crianças surdas. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

MARSCHARK, M.; SAPERE, P.; CONVERTINO, C.; MAYER, C.; WAUTERS, L.; SARCHET, T. Are Deaf Students' Reading Challenges Really about Reading? American Annals of the Deaf, Washington, v. 154, n. 4, p. 357-370, outono 2009. Disponível em: . Acesso em: 2 mar. 2011.

MARTINS, E. Cultura surda, educação e novas tecnologias em Santa Catarina. 2005. 208 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005.

MEIRELLES, V.; SPINILLO, A. G. Uma análise da coesão textual e da estrutura narrativa em textos escritos por adolescentes surdos. Estudos de Psicologia, Natal, v. 9, n. 1, p. 131-144, jan./abr. 2004. Disponível em: . Acesso em: 24 mar. 2011.

MELCA, F. M. A.; FERREIRA, G. F. Um laboratório de educação a distância para pessoas com necessidades especiais (IBC-LED). Revista do Instituto Benjamin Constant, Rio de Janeiro, 32. ed., dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 11 set. 2010.

MOURA, M. C. de. O surdo: caminhos para uma nova identidade. Rio de Janeiro: Revinter, 2000.

POKET, R. B. Abordagens de ensino na educação da pessoa com surdez. Disponível em: . Acesso em: 11 mai. 2011.

PORTAL DO SURDO. Disponível em: . Acesso em: 11 abr. 2011.

QUADROS, R. M. O contexto escolar do aluno surdo e o papel das línguas. 1998. Disponível em: . Acesso em: 8 set. 2014.

QUEVEDO, S. R. P. de. Narrativas hipermidiáticas para ambiente virtual de aprendizagem inclusivo. 2013. 380 f. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

REITSMA, P. Computer-Based Exercises for Learning to Read and Spell by Deaf Children. Journal of Deaf Studies and Deaf Education, Oxford, v. 14, n. 2, p. 178-189, ago. 2008.

RICHARDSON, J. T. E.; Woodly, A. Approaches to studying and communication preferences among deaf children to distance education. Higher Education, v. 42, n. 1, p. 61-83, jul. 2001.

SACKS, O. Vendo vozes: uma jornada pelo mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

SANTANA, A. P. Surdez e linguagem: aspectos e implicações neurolinguísticas. São Paulo: Plexus, 2007.

SANTANA, C. C.; PEREIRA, H. S. Como é o ensino de matemática para surdos em Vitória da Conquista. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE ENSINO DA MATEMÁTICA, 3., 2005, Canoas. Anais... Canoas: Universidade Luterana do Brasil, 2005. 1 CD-ROM.

SANTOS, L. H. M.; DIAS, M. G. B. B. Compreensão de textos em adolescentes surdos. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 14, n. 3, p. 241-249, 1998.

SAVIANI, D. Plano de Desenvolvimento da Educação. 1. ed. Campinas: Autores Associados, 2009.

SPENASSATO, D.; GIARETA, M. K. Inclusão de alunos surdos no ensino regular: investigação das propostas didático-metodológicas por professores de matemática no ensino médio da EENAV. In: ENCONTRO GAÚCHO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 10., 2009, Ijuí. Anais... Ijuí: Unijuí, 2009, Disponível em: . Acesso em: 11 maio 2011.

TORRES, E. F.; MAZZONI, A. A.; MELLO, A. G. de. Nem toda pessoa cega lê em Braille nem toda pessoa surda se comunica em língua de sinais. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 33, n. 2, p. 369-386, maio/ago. 2007. Disponível em: .Acesso em: 19 set. 2010.

WITTGENSTEIN, L. Tractatus logico-philo-sophicus. São Paulo: Edusp, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.17143/rbaad.v13i0.259

Fontes de Indexação:

 

© Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância
Brazilian Review of Open and Distance Learning Rua Vergueiro, 875 - 12º andar, conjuntos 123/124
Liberdade - CEP 01504-000 - São Paulo - Brasil
Tel: (55) 11 3275-3561 / Fax: (55) 11 3275-3724
rbaad@abed.org.br