A Etnomatemática como uma Perspectiva Metodológica para o Ambiente Virtual de Aprendizagem a Distância nos Cursos de Formação de Professores

Milton Rosa, Daniel Clark Orey

Resumo


A proposta da etnomatemática para a formação inicial e continuada dos futuros professores de matemática está em sintonia com as tendências atuais da Educação Matemática. Esses professores podem desenvolver habilidades específi cas para investigarem as ideias e as práticas matemáticas, que ocorrem fora do contexto escolar para desenvolvê-las pedagogicamente por meio de atividades contextualizadas desenvolvidas na perspectiva etnomatemática. Porém, a maioria dos professores não utiliza essa perspectiva, pois, na maioria das vezes, não possuem uma formação adequada para implantar essa tendência no currículo escolar. É importante que o trabalho pedagó- gico com a perspectiva etnomatemática, no ambiente de aprendizagem a distância, esteja relacionado com a realidade dos polos visando á utilização de situações contextualizadas que tenham relação com o background cultural dos futuros professores. Existe a necessidade de inserir nos cursos de formação de professores de Matemática, na modalidade a distância, a investigação das práticas matemáticas locais (polos) na perspectiva etnomatemática. O principal objetivo desse artigo é apresentar alguns caminhos viáveis para a aplicação dessa perspectiva nas práticas pedagógicas desenvolvidas no ensino e aprendizagem na modalidade a distância. Assim, a intenção desse artigo é a apresentação de uma abordagem metodológica baseada na perspectiva etnomatemática para a formação de professores de matemática para a modalidade de ensino e aprendizagem a distância.

Palavras-chave


etnomatemática; ensino a distância (EAD); ambiente de aprendizagem a distância, formação de professores, procedimento metodológico; tecnologias.

Texto completo:

PDF PDF - Inglês PDF - Espanhol

Referências


ANDRÉ, M. E. D. O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. São Paulo, SP: Papirus, 2001.

_______________. Etnografi a da prática escolar. São Paulo, SP: Papirus, 2004.

ARNOLD, S.; SHIU, C.; ELLERTON, N. Critical Issues in the distance teaching of mathematics and mathematics education. In: A. J. BISHOP, K. CLEMENTS, C. KEITEL, J. KILPATRICK; C. LABORDE (Eds.). International Handbook of Mathematics Education. Dordrecht, Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 1996. p. 701-754.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. São Paulo, SP: Editora Contexto, 2002.

BELLO, S. E. L. Etnomatemática e sua relação com a formação de professores: alguns elementos para discussão. In: KNIJNIK, G., WANDERER, F.; OLIVEIRA, C. (Orgs.). Etnomatemática, currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2004. p. 377-395.

BELLONI, M. L. Educação a distância. Campinas, SP: AutoresAssociados, 1999. BORBA, M. Ethnomathematics and education. Albany, NY: State University of New York Press, 1997.

BORGES, C.; TARDIF, M. Apresentação. Educação e sociedade, Campinas, v.22, n. 74, p. 11-26, 2001.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: matemática. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

CALIXTO, A.; OLIVEIRA, E. G.; OLIVEIRA, G. S. V. Enfrentar as incertezas: alternativas didáticas em ambientes virtuais, 2005. Disponível em: . Acesso em: 30 jun. 2012.

CORRÊA MAGALHÃES, L. K. Programas TV escola: o dito e o visto. In: BARRETO, R. G. (Org.) Tecnologias Educacionais e educação a distância: avaliando políticas e práticas. Rio de Janeiro, RJ: Quartet, 2003, p. 105-119.

CRAWFORD, K.; ADLER, J. Teachers as researchers in mathematics education. In:A. J. BISHOP, K. CLEMENTS, C. KEITEL, J.

KILPATRICK AND C. LABORDE (Eds.). International handbook of mathematics education. Dordrecht, Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 1996. p. 1187-1208. D’AMBROSIO, U. Etnomatemática. São Paulo: SP: Editora Ática, 1990.

_______________. Etnomatemática: Um Programa. Educação Matemática em Revista, v. 1, n. 1, p. 5-11, 1993.

_______________. Educação para uma sociedade em transição. Campinas, SP: Papirus, 1999.

_______________. Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2002.

_______________. Etnomatemática e educação. In: KNIJNIK, G.; WANDERER, F.; OLIVEIRA, C. J. Etnomatemática: currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2004. p. 39-52.

DOMITE, M. C. Da compreensão sobre formação de professores e professoras numa Perspectiva Etnomatemática. In: KNIJNIK, G., WANDERER, F.; OLIVEIRA, C. (Org.), (2004), Etnomatemática: currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul, RS: EDUNISC, 2004.p. 419-443.

ENGLISH, L. D.; JONES, G. A., TIROSH, D.; LESH, R. BARTOLINI BUSSI, M. G.Future issues and directions in international mathematics education research. In: ENGLISH, L. D. (Ed.). Handbook of international research in mathematics education. Nova Jersey, NJ: Lawrence Erlbaum Associates, Inc., Publishers, 2005. p. 787-812.

FERREIRA, E. S. Etnomatemática: a matemática incorporada à cultura de um povo. Revista de Ciências, n. 15, p. 4-9, 1986.

_______________. Etnomatemática: uma proposta metodológica. Rio de Janeiro, RJ: Gráfi ca Botânica Editora Ltda, 1997. FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro, RJ: Editora Paz e Terra, 1983.

_______________. A importância do ato de ler. São Paulo, SP: Editora Cortez, 2000.

GATTI, B. A. Critérios de qualidade. In: ALMEIDA, M.E; MORAN, J. M. (Org). Integração das tecnologias na educação.Série Salto para o Futuro. Secretaria de Educação a Distância. Brasília: Ministério da Educação/ Seed, 2005. p.143-145.

GERDES, P. Etnomatemática e educação matemática: uma panorâmica geral. Quadrante, v. 5, n. 2, p. 105-138, 1996.

HALBWACHS, M. La mémoirecollective. Paris, France: Presses Universitaires de France, 1950.

LÉVY, P. Cibercultura. Tradução de Carlos Irineu da Costa. São Paulo, SP: Editora 34, 1999.

MERCADO, L. P. Formação continuada de professores e novas tecnologias. Maceió, RNL Edufal, 1999.

MISKULIN, R. G. S. Th eoreticalmethodological concepts about the introduction and the utilization of computers in the geometry teaching/learning process. Tese de Doutorado em Educação na Área de Educação Matemática. Faculdade de Educação. Campinas, SP: UNICAMP, 1999.

MONTEIRO, A. (2004). A etnomatemática em cenários de escolarização: alguns elementos de refl exão. In: G. Knijnik, F. Wanderer, & C. Oliveira (Eds.), Etnomatemática: Currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul: Edunisc. 2004.p. 432-446.

PEREIRA, J. A pesquisa na formação e no trabalho docente. Belo Horizonte, MG: Editora Autêntica, 2002.

PONTE, J. P. Investigar a nossa própria práctica. In:GTI. Refl ectir e investigar sobre a prática profi ssional. Lisboa, Portugal: Associação de Professores de Matemática, 2002.p. 5-28.

PRETI, O. Educação a distância: sobre discursos e práticas. Brasília, DF: Líber Livro Editora, 2005.

QUEIROZ, G. R. P. C. Processos de formação de professores artistas-refl exivos de física. Educação e Sociedade, v. 22, n. 74, p. 97-119, 2001.

ROSA, M. From reality to mathematical modeling: a proposal for using ethnomathematical knowledge. Dissertação de mestrado.College of Education.California State University, Sacramento. Sacramento, CA: CSUS, 2000.

_______________. A mixed-methods study to understand the perceptions of high school leaders about English language students (ELL): the case of mathematics. Tese de Doutorado. College of Education. California State University, Sacramento. Sacramento, CA: CSUS, 2010.

ROSA, M.; OREY, D.C. Vinho e queijo: etnomatemática e modelagem. BOLEMA, v. 16, n.20, p. 1-16, 2003.

_______________. Abordagens atuais do programa etnomatemática: delinenando-se um caminho para a ação pedagógica. BOLEMA, v. 19, n. 26, p. 19-48, 2006.

_______________. Ethnomodeling: a pedagogical action for uncovering ethnomathematical practices. Journal of Mathematical Modelling and Application, v. 1, n. 3, p. 58-67, 2010.

STILLMAN, G.; BALATTI, J. Contribution of ethnomathematics to mainstream mathematics classroom practice. In: ATWEH, B. et al. (Eds.). Sociocultural research on mathematics education: an international perspective. London, England: Lawrence Erlbaum Associates Publishers, 2001. p. 313-328.

VIGNERON, J. Comunicação interpessoal e formação permanente. São Paulo, SP: Angellara, 1997.

VITHAIL, R.; SKOSMOSE, O. Th e end of innocence: a critique of ethnomathematics. Educational Studies of Mathematics, v. 34, p. 131-157. 1997.

ZASLAVSKY, C. World Cultures in the Mathematics Class. In: POWELL, A. B. & FRANKENSTEIN, M. (Eds.). Ethnomathematics: challenging Eurocentrism in mathematics education. Albany, NY: State University of New York Press, 1997. p. 307-320.




DOI: http://dx.doi.org/10.17143/rbaad.v12i0.244

Fontes de Indexação:

 

© Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância
Brazilian Review of Open and Distance Learning Rua Vergueiro, 875 - 12º andar, conjuntos 123/124
Liberdade - CEP 01504-000 - São Paulo - Brasil
Tel: (55) 11 3275-3561 / Fax: (55) 11 3275-3724
rbaad@abed.org.br