Por qué no soy Constructivista

  • Clifton Chadwick
Palavras-chave: construtivismo, sistema educacional

Resumo

Este artigo examina os dois principais usos do termo “construtivismo”.O primeiro é uma tese sobre corpos de conhecimento desenvolvidos no curso da história humana que rejeita que as disciplinas são reflexões objetivas de um “mundo externo” - isto é, chamado, com frequência, de construtivismo social, ou desconstrucionismo ou pós-modernismo. O segundo uso do termo, o qual tem sido chamado de construtivismo psicológico, é uma forma de olhar sobre como os indivíduos aprendem, sugerindo que eles ativamente constroem seus próprios (internos) grupos de significados ou entendimentos, e que tal conhecimento não é uma mera cópia do mundo externo, e nem é adquirido pela absorção pasasiva ou pela simples transferência de uma pessoa ( um professor) para outra (um aluno). O artigo analisa a posição de vários autores que argumentam tanto contra como a favor destas posições filosóficas e também compara o ganho social que seria esperado se os princípios construtivistas realmente fossem válidos, com as realidades observadas nas sociedade ao redor do mundo. Estas análises levam o autor a concluir que a idéia filosófica não é boa e que o enfoque educacional realmente não oferece, alguma coisa boa para o sistema educacional ou o aluno.

Referências

Brown, D. E. Human Universals. New York: McGraw-Hill, 1991.

Featherston, T. “The Derivation of a Learning Approach Based on a Personal Construct Psychology,” International Journal of Science Education 19, no. 7 (1997): 801-819.

Gruender, C. David. “Constructivism and Learning: A Philosophical Appraisal.” Educational Technology, May-June, 1996, 21-29

Howe, K & Jason Berv. “Constructing Constructivism, Epistemological and Pedagogical.” ,” in D.C. Phillips (Ed.) Constructivism in Education (Ninety-Ninth NSSE Yearbook). Chicago, IL: University of Chicago Press, 2000, 19-40.

Matthews, M.R., “Introductory Comments on Philosophy and Constructivism in Science Education,” Science and Education 6 (1997): 5-14.

Matthews, M. R. “Appraising Constructivism in Science and Mathematics Education,” in D.C. Phillips (Ed.) Constructivism in Education (Ninety-Ninth NSSE Yearbook). Chicago, IL: University of Chicago Press, 2000, page 164. (This article has an excellent bibliography for interested readers.)

McCarty, L. P. & Schwandt, T.A. “Seductive Illusions: von Glaserfeld and Gergen on Epistemology and Education,” in D.C. Phillips (Ed.) Constructivism in Education (Ninety-Ninth NSSE Yearbook). Chicago, IL: University of Chicago Press, 2000, page 79.

Phillips, D. C. “The Constructivist Landscape,” in D.C. Phillips (Ed.) Constructivism in Education (NinetyNinth NSSE Yearbook). Chicago, IL: University of Chicago Press, 2000, page 10.

Pinker, S., The Blank Slate: The Modern Denial of Human Nature. New York: Viking, 2002,

Plotkin, H., Evolution in Mind: An Introduction to Evolutionary Psychology. Cambridge MA: Harvard university Press, 1998.

Popper, K., Conjectures and Refutations. London: Routledge, 1963, p. 5.

Suchting, W. “Constructivism Deconstructed,” Science and Education 1, no. 3 (1992).

Teorías del Aprendizaje para el Docente (Theories of Learning for Teachers). Santiago, Editorial Universitaria, 1983.

Publicado
2008-05-24
Edição
Seção
Artigos