Educação a Distância, Cultura da Convergência e Audiovisualidades: Apontamentos para a Formação de Professores

  • Leonardo Nolasco-Silva UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ
  • Vittorio Lo Bianco Fundação CECIERJ; Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Lia Faria Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Audiovisualidades, Cultura da Convergência, Educação a Distância.

Resumo

Nossa proposta é pensar, a partir do conceito de audiovisualidades, as possibilidades didáticas abertas pela cultura da convergência, seja nos cenários da Educação a Distância, seja nas paisagens da modalidade presencial. Para tanto, discutimos o papel da televisão, de modo a problematizar as tecnologias educacionais e seus usos por professores e estudantes. Discutimos o nosso contato diário com a televisão comercial – no aparelho tradicional ou na palma da nossa mão – e rememoramos iniciativas que elegeram a TV como meio de praticar e dar acesso à educação formal – mais especificamente, falamos da gênese e da lógica do Telecurso 2º Grau, pensando em como aquela modalidade de ensino ainda ressoa entre as práticas atuais de EAD. Perguntamos o que ainda temos a aprender com essa lógica de produção de imagens e que espaços de invenção podemos explorar a partir dela, ampliando o repertório sobre as tecnologias educacionais na formação de professores.Palavras-chave: Audiovisualidades; Cultura da Convergência; Educação a Distância. Distance Education, Convergence Culture and Audiovisualities: Notes for Teacher TrainingABSTRACTOur proposal is to think, based on the concept of audiovisualities, the possibilities open by the convergence culture, whether in the scenarios of distance education, whether in the landscapes of the face to face education. To this end, we discussed the role of television in order to problematize the educational technologies and their use by teachers and students. We discuss our daily contact with the commercial television - in the traditional device or in the palm of our hand - and remember initiatives that have elected the TV as a means of practicing and giving access to formal education - more specifically talking about the genesis and the logic of the TELECOURSE 2nd Grade, thinking about how that type of education still resonates among the current practices of Distance Learning. We asked what we still have to learn with this logic of image production and wich spaces of invention we can exploit from it, expanding the repertoire on the educational technologies in teacher training.Keywords: Audiovisualities; Convergence Culture; Distance education. Convergencia y Audiovisualidades: Apuntes para la Formación del ProfesoradoRESUMENNuestra propuesta es pensar, basado en el concepto de audiovisualidades, las posibilidades abiertas por la cultura de convergencia, ya sea en los escenarios de la educación a distancia, ya sea en los paisajes de la educación presencial. Para ello, analizamos el papel de la televisión con el fin de cuestionar las tecnologías educativas y su uso por parte de profesores y estudiantes. Hablamos de nuestro contacto diario con la televisión comercial tradicional - en el dispositivo o en la palma de la mano - y rememoramos iniciativas que han elegido a la TV como un medio de practicar y dar acceso a la educación formal - más específicamente hablando de la génesis y la lógica del Telecurso 2º grado, pensando acerca de cómo este tipo de educación, aún resuena entre las prácticas actuales de la educación a distancia. Hemos preguntado lo que aún tenemos que aprender con esta lógica de producción de imagen y que espacios de invención podemos explotar, ampliando el repertorio de las tecnologías educativas en la formación del profesorado.Palabras clave: Audiovisualidades; Cultura de Convergencia; educación a distancia.

Biografia do Autor

Leonardo Nolasco-Silva, UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO - UERJ
PROFESSOR ADJUNTO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA UERJ. DEPARTAMENTO DE ESTUDOS APLICADOS AO ENSINO - DEAE.
Vittorio Lo Bianco, Fundação CECIERJ; Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Servidor da Fundação CECIERJ; Doutorando em Educação (ProPEd-UERJ).
Lia Faria, Universidade do Estado do Rio de Janeiro
Professora Associada da Faculdade de Educação da UERJ.

Referências

ALVES, Nilda. A formação da professora e o uso de multimeios como direito. In: FILÉ,Valter. Batuques, fragmentos e fluxos:zapeando pela linguagem audiovisual no cotidiano escolar. Rio de Janeiro: DP&A, 2000, pp. 25-40.

_________. Nilda Alves: praticantepensante de cotidianos. Organização e introdução: GARCIA, Alexandra; OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

BHABHA, Homik. O local da Cultura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BOURDIEU, Pierre. Sobre a televisão – seguido de A influência do jornalismo e Osjogos Olímpicos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1987.

BRASIL. Decreto Legislativo nº 110. Diário do Congresso Nacional da República Federativa do Brasil. Poder Legislativo, Brasília DF, 1º de dez. de 1977. Seção II, p. 7883-7585.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1: artes de fazer. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

____________. Obra Aberta. São Paulo: Perspectiva, 2005.

FOUCAULT, Michel. Em defesa da Sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

GARROCINI, Elisandra. Educação a Distância na Ditadura Militar no Brasil: O caso do Telecurso 2º Grau. Curitiba: Universidade Tuiuti do Paraná, 2010.

KILPP, Suzana. Dispersão-convergência: apontamentos para a pesquisa de audiovisualidades. In: MONTAÑO, Sonia; FISCHER, Gustavo: KILPP, Suzana. Impacto das novas mídias no estatuto da imagem. Porto Alegre: Sulina, 2012. P. 223 – 238.

OLIVEIRA, Inês Barbosa de. Currículos e pesquisas com os cotidianos: o caráter emancipatório dos currículos ‘pensadospraticados’ pelos ‘praticantespensantes’ dos cotidianos das escolas. In: Carlos Eduardo Ferraço e Janete Magalhães Carvalho (orgs.). Currículos, pesquisas, conhecimentos e produção de subjetividades. 1ªed. Petrópolis: DP etAlli, 2012, p. 47-70.

MARCONDES FILHO, Ciro. Televisão. Rio de Janeiro: Editora Scipione, 1994.

PRENSKY, Marc. Nativos digitais, imigrantes digitais. In: On the Horizon. NCB University Press, Vol. 9 No. 5, Outubro 2001.

PRIMO, Alex (Org.). Interações em Rede. Porto Alegre: Sulina, 2013.

Publicado
2018-08-02
Seção
Artigos Originais