A autonomia na aprendizagem em educação a distância: competência a ser desenvolvida pelo aluno

Mônica de Lourdes Gottardi

Resumo


O presente artigo refere-se à pesquisa qualitativa – tipo estudo de caso – acerca de Educação a Distância no desenvolvimento das competências profissionais em uma Instituição Educacional que oferece essa modalidade de cursos (EaD) no Estado do Rio Grande do Sul. O estudo objetiva análise do desenvolvimento da autonomia do aluno colaborador durante o processo de aprendizagem por meio dessa modalidade. Tendo em vista a importância das análises e as reflexões da prática cotidiana da EaD, a opção metodológica deu-se pela entrevista semiestruturada, cujos resultados comprovam a autonomia. Assim, a construção de aprendizagem torna- -se inovadora para o aluno por meio de compromisso com responsabilidade, iniciativa, administração do tempo, busca de soluções e empenho nas atividades, além de colaboração e interação com colegas e professores-tutores de curso. Trata-se de estudo relevante em contexto incipiente de utilização dessa modalidade com inúmeros aspectos positivos na educação, como forma de democratização e desenvolvimento do ser humano nos âmbitos educacionais e de qualificação para o trabalho através do incremento das competências, do desenvolvimento de autonomia e de interação durante o processo de ensino-aprendizagem.

Palavras-chave


Educação a Distância. Autonomia. Aluno.

Texto completo:

PDF PDF - Espanhol PDF - Inglês

Referências


ALMEIDA, M. E. B. Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. São Paulo: Educação e Pesquisa, 2003.

ANDRÉ, S.; COSTA, A. C. G. Educação para o desenvolvimento humano. São Paulo: Instituto Ayrton Senna; São Paulo: Saraiva, 2004.

ARCÚRIO, M. S. F. Autonomia do aprendiz na educação a distância. 23 dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 02 fev. 2015.

BAILEY, K. D. Methods of social research. New York: The Free Press, 1982.

BEHAR, P. A. (Org.). Modelos pedagógicos em educação a distância. Porto Alegre: Artmed, 2009.

BELLONI, M. L. Aprendizagem autônoma: o estudante do futuro. In: ______. Educação a distância. Campinas: Autores Associados, 1999.

______. O que é mídia-educação. Campinas: Autores Associados, 2001.

BERNATH, U.; VIDAL, M. The theories and the theorists: why theory is important for research, with Boerje Holmberg, Michael Graham Moore, Otto Peters. Distances et Savoirs, London, v. 5, n. 3, p. 427-458, 2007.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto no 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2012.

DEWEY, J. Democracy and education. New York: McMillan, 1916.

FERREIRA, R. B. A. S.; SILVA, I. M. M. “Didática” no contexto da educação a distância: quais os desafios? Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, São Paulo, v. 8, 2009. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2014.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GODOY, A. S. A pesquisa qualitativa e sua utilização em administração de empresas. RAE, São Paulo, v. 35, n. 4, p. 65-71, 1995.

______. Estudo de caso qualitativo. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA, A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais. São Paulo: Saraiva, 2006.

HOUAISS, A. Dicionário da língua portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Moderna, 2004.

KEOUGH, B. K. Children’s temperament and teacher’s decisions. In: PORTER, R.; COLLINS, G. M. (Org.) Temperamental differences in infants and young children. London: Pitman, 1982.

KNOWLES, M. Preface. In: BOUD, D. (Ed.). Developing student autonomy. London: Kogan Page; 1988.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

MATURANA, H. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

MOORE, M. G. Teoria da distância transacional. In: KEEGAN, D. Theoretical Principles of Distance Education. London: Routledge, 1993. p. 22-38.

______; KEARSLE, G. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: Thomson, 2007.

MORAN, J. M. Contribuições para uma pedagogia da educação online. In: SILVA, M. (Org.). Educação online. São Paulo: Loyola, 2003.

______; MASETTO, M. T.; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. Campinas: Papirus, 2000.

NEDER, M. L. C. A orientação acadêmica na educação a distância. In: PRETI, O. Educação a distância: construindo significados. Brasília: Plano; Cuiabá: Nead/UFMT, 2000.

PALLOFF, R.; PRATT, K. O aluno virtual: um guia para trabalhar com estudantes on-line. Porto Alegre: Artmed, 2004.

PETERS, O. A educação a distância em transição. São Leopoldo: Unisinos, 2003.

PINK, D. N. Motivação 3.0: os novos fatores motivacionais para a realização pessoal e profissional. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

PRETI, O. Autonomia do aprendiz na educação a distância. In: ______ (Org.). Educação a distância: construindo significados. Brasília: Plano, 2000.

______. Autonomia do aprendiz na educação a distância: significados e dimensões. Cuiabá: Nead/UFMT, 2005.

______. Educação a distância: uma prática educativa mediada e mediatizadora. In: ______ (Org.). Educação a distância: inícios e indícios de um percurso. Cuiabá: EdUFMT, 1996.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

WEDEMEYER, C. A. The use of correspondence education for postsecondary education. In: KEEGAN, D. Foundations of distance education. 3rd. ed. New York: Routledge, 1975. p. 58-56.

ZARIFIAN, P. Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, 2001.




DOI: http://dx.doi.org/10.17143/rbaad.v14i0.268

Fontes de Indexação:

 

© Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância
Brazilian Review of Open and Distance Learning Rua Vergueiro, 875 - 12º andar, conjuntos 123/124
Liberdade - CEP 01504-000 - São Paulo - Brasil
Tel: (55) 11 3275-3561 / Fax: (55) 11 3275-3724
rbaad@abed.org.br